Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.983,78
    +443,95 (+0,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.778,56
    +576,75 (+1,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,14
    -1,56 (-3,74%)
     
  • OURO

    1.926,80
    +11,40 (+0,60%)
     
  • BTC-USD

    12.768,13
    +1.711,12 (+15,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    255,82
    +10,93 (+4,46%)
     
  • S&P500

    3.449,92
    +6,80 (+0,20%)
     
  • DOW JONES

    28.302,93
    -5,86 (-0,02%)
     
  • FTSE

    5.776,50
    -112,72 (-1,91%)
     
  • HANG SENG

    24.754,42
    +184,88 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    23.639,46
    +72,42 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    11.748,75
    +88,00 (+0,75%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6597
    +0,0333 (+0,50%)
     

EXCLUSIVO-EUA oferecem acordo em guerra de tarifas se Airbus devolver bilhões em incentivos, dizem fontes

Por Tim Hepher e Andrea Shalal
·1 minuto de leitura
.
.

Por Tim Hepher e Andrea Shalal

PARIS/WASHINGTON/BRUXELAS (Reuters) - Os Estados Unidos ofereceram um acordo em uma longa guerra em torno de subsídios concedidos a fabricantes de aviões se a Airbus <AIR.PA> devolver bilhões de dólares recebidos em ajuda de governos europeus, afirmaram várias fontes próximas do assunto à Reuters.

A oferta, que prevê eliminação de tarifas dos EUA sobre bilhões de dólares em produtos europeus, foi feita pelo representante comercial norte-americano (USTR), Robert Lighthizer, dias antes que a Organização Mundial do Comércio (OMC) divulgasse na terça-feira relatório autorizando Bruxelas a impor tarifas retaliatórias sobre produtos dos EUA por causa de subsídios concedidos à Boeing <BA.N>, disseram as fontes.

A proposta de Lighthizer, não deve conseguir apoio da UE, que deve pedir durante uma reunião na OMC marcada para 26 de outubro aprovação para impor tarifas de 4 bilhões de dólares sobre produtos dos EUA. A imposição de tarifas dos EUA sobre 7,5 bilhões de dólares em produtos europeus já está em vigor.

Representantes do USTR e da Comissão Europeia não comentaram o assunto.