Mercado fechará em 12 mins
  • BOVESPA

    111.442,29
    -1.988,25 (-1,75%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.647,68
    +83,41 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,46
    -2,41 (-3,06%)
     
  • OURO

    1.943,60
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    23.078,07
    -71,49 (-0,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    522,01
    +279,33 (+115,10%)
     
  • S&P500

    4.055,01
    -21,59 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    33.737,95
    -348,09 (-1,02%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    -10,59 (-0,14%)
     
  • HANG SENG

    22.072,18
    +229,85 (+1,05%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.139,50
    -12,50 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5498
    +0,0342 (+0,62%)
     

EXCLUSIVO-Binance movimentou US$ 346 milhões pela exchange Bitzlato, mostram dados

Por Tom Wilson e Angus Berwick

LONDRES (Reuters) - A gigante de criptoativos Binance processou quase 346 milhões de dólares em bitcoin para a casa de câmbio digital Bitzlato, cujo fundador foi preso pelas autoridades dos Estados Unidos na semana passada por supostamente operar um “mecanismo de lavagem de dinheiro”, mostram dados de blockchain vistos pela Reuters.

Em 18 de janeiro, o Departamento de Justiça disse que acusou o cofundador e acionista majoritário da Bitzlato, Anatoly Legkodymov, cidadão russo que vive na China, de operar uma empresa de câmbio não licenciada que "alimentava um eixo de alta tecnologia de crimes de criptoativos" ao processar 700 milhões de dólares em fundos ilícitos.

A Bitzlato facilitou verificações frouxas de antecedentes dos clientes, disse o Departamento de Justiça, acrescentando que, quando a bolsa pedia aos usuários informações de identificação, a casa de câmbio "repetidamente permitia que eles fornecessem informações pertencentes a registrantes 'espantalhos'".

A Binance, maior exchange de criptomoedas do mundo, estava entre as três principais contrapartes da Bitzlato pela quantidade de bitcoin recebida entre maio de 2018 e setembro de 2022, disse a Rede de Repressão a Crimes Financeiros do Tesouro dos EUA (FinCEN) na semana passada.

A Binance era a única grande exchange cripto entre as principais contrapartes da Bitzlato, disse a FinCEN. O órgão afirmou que os outros que fizeram transações com Bitzlato foram o marketplace de drogas na darknet Hydra, que usa o russo como linguagem, uma pequena bolsa chamada LocalBitcoins e um site de investimento em cripto chamado Finiko, que descreveu como "um suposto esquema Ponzi cripto baseado na Rússia". O FinCEN não detalhou a escala das interações das entidades com o Bitzlato.

A Bitzlato, registrada em Hong Kong, representa uma “importante preocupação de lavagem de dinheiro” relacionada ao financiamento ilícito russo, acrescentou a FinCEN. A transmissão de fundos para Bitzlato pelos EUA e outras instituições financeiras será proibida a partir de 1º de fevereiro, disse a FinCEN, que não citou a Binance ou outras empresas individuais entre as sujeitas à proibição.

Um porta-voz da Binance disse por e-mail que "forneceu assistência substancial" à aplicação da lei internacional para apoiar a investigação sobre a Bitzlato. A empresa está comprometida em "trabalhar em colaboração" com as autoridades, acrescentou, recusando-se a dar detalhes sobre suas negociações com a Bitzlato ou a natureza de sua cooperação com essas agências.

A Bitzlato, cujo site afirma ter sido apreendido pelas autoridades francesas, não pôde ser contatada pela Reuters. Legkodymov não fez nenhum comentário público desde sua prisão em Miami na semana passada e não respondeu aos pedidos de comentário por e-mail.

A operadora da Hydra, indiciada nos Estados Unidos, e um advogado que representa o fundador da Finiko não responderam aos pedidos de comentários.

A LocalBitcoins, com sede na Finlândia, disse que nunca teve "qualquer tipo de cooperação ou relacionamento" com a Bitzlato. Alguns traders 'peer-to-peer' (P2P) da LocalBitcoins "também estariam negociando no mercado P2P da BitZlato", disse, acrescentando que "praticamente não houve transações entre LocalBitcoins e BitZlato desde outubro de 2022".

A Reuters não tem evidências de que as transações da Binance, LocalBitcoins ou Finiko com a Bitzlato, que o Departamento de Justiça descreveu como um "paraíso para produtos criminais e fundos destinados ao uso em atividades criminosas", violaram quaisquer regras ou leis.

No entanto, um ex-regulador bancário dos EUA e um ex-funcionário da lei disseram que, com o status da Binance como uma das principais contrapartes, o Departamento de Justiça e do Tesouro dos EUA focarão atenções nas verificações de compliance da Binance com a Bitzlato.

"Eu não diria que foi um lance de advertência, eu chamaria de míssil guiado", disse Ross Delston, um advogado norte-americano independente e ex-regulador bancário que também é especialista em questões de combate à lavagem de dinheiro, referindo-se a Citação do FinCEN de Binance e LocalBitcoins.

O Departamento de Justiça e o FinCEN se recusaram a comentar.

A Binance movimentou mais de 20.000 bitcoins, no valor de 345,8 milhões de dólares no momento em que foram transacionados, em cerca de 205.000 transações para Bitzlato entre maio de 2018 e seu fechamento na semana passada, de acordo com uma revisão de dados não relatados anteriormente. Os números foram compilados pelo principal pesquisador de blockchain dos EUA, Chainalysis, e vistos pela Reuters.

Um montante de bitcoin no valor de cerca de 175 milhões de dólares foi transferido da Bitzlato para a Binance naquele período, tornando a Binance sua maior contraparte receptora, mostram os dados.