Mercado abrirá em 1 h 55 min
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.867,62
    +338,65 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,03
    -0,32 (-0,52%)
     
  • OURO

    1.786,40
    -6,70 (-0,37%)
     
  • BTC-USD

    54.009,00
    -1.492,41 (-2,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.255,33
    -7,63 (-0,60%)
     
  • S&P500

    4.173,42
    +38,48 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    34.137,31
    +316,01 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.898,26
    +2,97 (+0,04%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.900,00
    -19,25 (-0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6444
    -0,0576 (-0,86%)
     

EXCLUSIVO-Analog deve obter aval da UE para compra da Maxim por US$21 bi, diz fonte

Foo Yun Chee
·1 minuto de leitura

Por Foo Yun Chee

BRUXELAS (Reuters) - A fabricante norte-americana de semicondutores Analog Devices (ADI) deve obter aprovação antitruste incondicional da União Europeia para sua proposta de 21 bilhões de dólares para comprar a Maxim Integrated Products, disse uma pessoa a par do assunto.

O negócio, o maior da ADI, elevará sua participação no mercado automotivo e de fabricação de chips 5G e permitirá concorrer melhor com empresas maiores, incluindo a Texas Instruments.

A Comissão Europeia, que deve decidir sobre a operação até 31 de março, não quis comentar. A ADI e a Maxim não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

A força da ADI está em amplos segmentos industriais, de comunicações e de saúde digital, enquanto a Maxim é forte nos mercados automotivo e de data center.

Com sede em Massachusetts, a ADI faz sensores, conversores de dados, amplificadores e outros produtos de processamento de sinal para uma ampla gama de indústrias de transporte a saúde, instrumentação e dispositivos portáteis de consumo.

A Maxim projeta e fabrica chips analógicos são usados ​​em carros, manufatura, energia, comunicações, saúde e dispositivos conectados.