Mercado abrirá em 1 h 43 min
  • BOVESPA

    120.705,91
    +995,88 (+0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.829,31
    +80,90 (+0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,56
    +0,74 (+1,16%)
     
  • OURO

    1.836,40
    +12,40 (+0,68%)
     
  • BTC-USD

    50.803,39
    +1.684,99 (+3,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.409,88
    +21,97 (+1,58%)
     
  • S&P500

    4.112,50
    +49,46 (+1,22%)
     
  • DOW JONES

    34.021,45
    +433,79 (+1,29%)
     
  • FTSE

    7.011,72
    +48,39 (+0,69%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.238,75
    +138,50 (+1,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4325
    +0,0200 (+0,31%)
     

Excluir gastos adicionais da Covid-19 do teto é negativo para perfil de crédito do país, diz Moody's

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA (Reuters) - A agência de classificação de risco Moody's classificou nesta quinta-feira como "negativa" para o perfil de crédito do Brasil a decisão do governo de excluir despesas adicionais relacionadas à Covid-19 do mecanismo do teto de gastos.

"No entanto, devido ao moderado montante dos gastos adicionais, e a recente aprovação de emenda constitucional para garantir que despesas mandatórias fiquem dentro do teto de gastos nos próximos anos, esperamos que as autoridades mantenham seu compromisso com a consolidação fiscal, em linha com o nosso cenário-base", afirmou em nota a vice-presidente da agência, Samar Maziad.

Atualmente, a Moody's atribui rating "Ba2" para o crédito soberano do Brasil, abaixo do chamado grau de investimento, com perspectiva estável.

Ainda de acordo com Maziad, em um cenário de criação de "exceções recorrentes" de forma a acomodar gastos acima do teto de gastos, "a credibilidade do instrumento como âncora fiscal será questionada, com implicações negativas para o custo e a dinâmica da dívida do Brasil".

Na véspera, o presidente Jair Bolsonaro sancionou o projeto de lei que altera a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

Aprovado pelo Congresso Nacional na segunda-feira, o projeto abre caminho para a sanção do Orçamento de 2021, que vinha enfrentando impasse e tem como prazo máximo esta quinta-feira.

Os ajustes à LDO de 2021 incluem a flexibilização de regras para despesas com enfrentamento à pandemia da Covid-19 e permitem que o governo corte por decreto (e não por lei, como normalmente ocorre) despesas discricionárias para garantir o atendimento à totalidade das despesas obrigatórias.

Na terça-feira, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o entendimento fechado pelo governo com o Congresso em torno do Orçamento deste ano atende ao duplo compromisso do governo com a saúde e a responsabilidade fiscal e que apenas despesas delimitadas ficarão de fora da regra do teto de gastos.

(Por Gabriel Ponte)