Mercado abrirá em 7 h 46 min
  • BOVESPA

    122.964,01
    +1.054,98 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.655,29
    -211,86 (-0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,36
    +0,08 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.830,40
    -5,70 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    57.470,64
    +2.230,38 (+4,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.556,31
    +1.313,63 (+541,30%)
     
  • S&P500

    4.152,10
    -36,33 (-0,87%)
     
  • DOW JONES

    34.269,16
    -473,66 (-1,36%)
     
  • FTSE

    6.947,99
    -175,69 (-2,47%)
     
  • HANG SENG

    27.910,60
    -103,21 (-0,37%)
     
  • NIKKEI

    27.961,68
    -646,91 (-2,26%)
     
  • NASDAQ

    13.261,50
    -84,50 (-0,63%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3310
    -0,0144 (-0,23%)
     

Exchange brasileira tem R$ 110 milhões bloqueados em operação da PF

Júlia V. Kurtz
·2 minuto de leitura
Polícia Federal apreendeu 6.000 Bitcoin em operações apenas no último ano

A conta de uma exchange brasileira com cerca de R$ 110 milhões em ativos foi bloqueada em uma ação da Polícia Federal.

A decisão foi tomada como parte da Operação Rekt, deflagrada na manhã de quinta-feira (29), com o objetivo de coibir um grande esquema de lavagem de dinheiro envolvendo empresas de fachada cadastradas em nome de laranjas, cujas sedes foram cadastradas no endereço de quartos de hotéis.

O objetivo destas empresas era operar como intermediárias na movimentação de dinheiro e dificultar as investigações. Elas recebiam depósitos de dinheiro ilícito em parcelas pequenas para despistar a atuação dos órgãos de fiscalização e, depois, repassavam o valor para uma companhia maior, também de fachada, que era responsável pela compra de criptoativos.

O nome da exchange envolvida não foi divulgado porque o processo corre em segredo de justiça. A Polícia reforçou que operar criptomoedas não é crime, porém a conta foi bloqueada porque a origem do dinheiro não era lícita. A exchange não é investigada na operação.

Ao todo, 32 pessoas jurídicas e quatro físicas tiveram seus sigilos bancário e fiscal quebrados com ordem judicial da Justiça Federal de São Paulo.

Segundo a Polícia Federal, as investigações indicaram uma movimentação atípica de mais de R$ 20 bilhões nas contas. Ao todo, foram cumpridos quatro mandatos de prisão, três na cidade de São Paulo e um em Limeira (SP).

As empresas usadas no esquema eram cadastradas em nomes de terceiros e usadas por traficantes de drogas que foram presos na Operação Planum, que foi deflagrada em outubro de 2018.

Os envolvidos na operação podem ser indiciados pelos crimes de organização criminosa e lavagem de dinheiro. A pena pode variar entre seis e 18 anos. A Polícia Federal não descarta a existência de outros crimes, como corrupção, que devem ser revelados conforme o andamento das investigações.

O artigo Exchange brasileira tem R$ 110 milhões bloqueados em operação da PF foi visto pela primeira vez em BeInCrypto.