Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.375,25
    -1.185,58 (-1,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.728,87
    -597,81 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    93,20
    +4,75 (+5,37%)
     
  • OURO

    1.701,80
    -19,00 (-1,10%)
     
  • BTC-USD

    19.564,71
    -371,41 (-1,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    445,50
    -9,53 (-2,09%)
     
  • S&P500

    3.639,66
    -104,86 (-2,80%)
     
  • DOW JONES

    29.296,79
    -630,15 (-2,11%)
     
  • FTSE

    6.991,09
    -6,18 (-0,09%)
     
  • HANG SENG

    17.740,05
    -272,10 (-1,51%)
     
  • NIKKEI

    27.116,11
    -195,19 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    11.096,25
    -445,50 (-3,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0768
    -0,0367 (-0,72%)
     

Excesso de luz azul acelera o processo de envelhecimento, diz estudo

O uso contínuo de telas, como telefones e computadores, aumenta o nível de exposição humana à luz azul, o que potencialmente pode ser prejudicial à saúde. É o que aponta um estudo feito com moscas da espécie Drosophila melanogaster, onde foi possível observar que este tipo de exposição acelera o processo de envelhecimento.

Publicado na revista científica Frontiers in Aging, o estudo sobre o impacto da luz azul no processo de envelhecimento foi liderado por pesquisadores da Universidade Estadual de Oregon, nos Estados Undos. No momento, as evidências ainda são preliminares, já que o experimento ocorreu apenas com moscas e, em humanos, os resultados desse processo podem ser diferentes ou menos intensos. Mais estudos ainda serão realizados.

Estudo aponta que excesso de exposição à luz azul pode acelerar o envelhecimento celular (Imagem: Akshar Dave/Unsplash)
Estudo aponta que excesso de exposição à luz azul pode acelerar o envelhecimento celular (Imagem: Akshar Dave/Unsplash)

Impactos da luz azul no envelhecimento das células

“A exposição excessiva à luz azul de dispositivos do dia a dia, como TVs, laptops e telefones, pode ter efeitos prejudiciais em uma ampla gama de células do nosso corpo, desde células da pele e gordura até neurônios sensoriais”, explica Jadwiga Giebultowicz, autora sênior do estudo e professora da universidade norte-americana, em comunicado.

“Somos os primeiros a mostrar que os níveis de metabólitos específicos — substâncias químicas essenciais para que as células funcionem corretamente — são alterados em moscas expostas à luz azul”, comenta. Giebultowicz ainda aconselha que "evitar a exposição excessiva à luz azul pode ser uma boa estratégia antienvelhecimento”.

Entenda o estudo

Para entender como a luz azul pode acelerar o envelhecimento em moscas, a equipe de cientistas comparou os níveis de metabólitos em moscas expostas à luz azul por duas semanas com aquelas mantidas em completa escuridão.

Após análises, o grupo concluiu que os insetos expostos apresentavam diferenças significativas nos níveis de metabólitos que foram medidos. A maior diferença estava nas células presentes na cabeça das moscas.

Descoberta vale para os humanos?

Apesar dos resultados, a aplicação da descoberta em humanos é limitada. “Usamos uma luz azul bastante forte nas moscas — os humanos são expostos a uma luz menos intensa, então os danos celulares podem ser menos dramáticos", afirma Giebultowicz.

Por outro lado, “os produtos químicos de sinalização nas células de moscas e humanos são os mesmos, então há potencial para efeitos negativos da luz azul em humanos”, completa Giebultowicz. Agora, novas pesquisas devem avaliar este impacto diretamente em células humanas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: