Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    35.339,03
    -2.490,21 (-6,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.103,00
    -62,50 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

Exceções poderiam tornar reforma administrativa inócua, avalia XP

·2 minuto de leitura
Esplanada dos Ministérios com o Congresso Nacional ao fundo, em Brasília

SÃO PAULO (Reuters) - A PEC que trata da reforma administrativa é "tímida" por deixar de incluir nas novas regras determinadas categorias das três esferas públicas e pelo risco de fatiamento, e ideias de exceções nos termos do projeto ameaçam reduzir "largamente" a eficácia da proposta e eventualmente torná-la "inócua", disse Rachel de Sá, analista de macroeconomia da XP.

De Sá avaliou que a ideia de "fatiamento" das mudanças contribui para o argumento de que a reforma poderia fazer mais e de que corre o risco de "parar no meio" por dificuldades políticas.

A analista da XP citou que instituições como FMI e Banco Mundial sugerem mudanças que incluem nova estrutura de remuneração com base em performance, redução do número de carreiras, fim da política de reajustes automáticos e determinação de carreiras que terão estabilidade garantida.

De Sá frisou que o impacto fiscal da reforma administrativa é difícil de ser calculado, uma vez que está ligado a novos entrantes no sistema público, e destacou que a proposta daria uma direção sobre prioridades em termos de gastos do Orçamento.

"Em termos políticos, essa proposta parece menos sensível, já que pouco impacta os servidores atuais. Em tese ela é uma reforma menos polêmica", completou.

Nesta terça-feira, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara aprovou a admissibilidade da proposta de emenda à Constituição (PEC) da reforma administrativa, primeiro passo para que o texto que mudará regras no serviço público tramite no Congresso.

A PEC da reforma administrativa em discussão no meio político não abarca carreiras de deputados, senadores, juízes e procuradores.

O texto visa simplificar as carreiras de Estado e eliminar distorções, como benefícios elevados e grande quantidade de carreiras e salários díspares para funções similares, para novos entrantes no Executivo, Legislativo e Judiciário.

(Por José de Castro)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos