Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.786,30
    +2.407,38 (+2,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.736,48
    +469,28 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,79
    +1,73 (+4,02%)
     
  • OURO

    1.804,40
    -33,40 (-1,82%)
     
  • BTC-USD

    18.946,46
    +494,50 (+2,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    375,90
    +6,15 (+1,66%)
     
  • S&P500

    3.635,41
    +57,82 (+1,62%)
     
  • DOW JONES

    30.046,24
    +454,97 (+1,54%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.092,25
    +187,00 (+1,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3959
    -0,0444 (-0,69%)
     

Ex-SBM envolvido na Lava Jato paga US$ 1,6 mi ao Reino Unido

Chris Elser
·1 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Promotores do Reino Unido venceram um processo para receber 1,2 milhão de libras (US$ 1,6 milhão) do empresário Júlio Faerman que, segundo autoridades, comprou um apartamento no oeste de Londres com fundos do esquema de corrupção na Petrobras.

O Escritório de Fraudes Graves (SFO, na sigla em inglês) acredita que a propriedade em Kensington foi comprada com dinheiro “vinculado a fundos corruptos” e obteve uma ordem para bloquear o apartamento em janeiro de 2019. Na quinta-feira, o SFO disse que garantiu os fundos em um acordo com o empresário brasileiro.

Faerman já havia concordado em pagar US$ 54 milhões às autoridades brasileiras sob a Operação Lava Jato.

A investigação de “recuperação civil” veio à tona após uma audiência no tribunal de Londres, onde advogados de Faerman tentaram sem sucesso fazer com que o SFO retirasse os pedidos de informações adicionais sobre as contas do empresário.

“Não vamos recuar e permitir que o Reino Unido seja um porto seguro para dinheiro sujo”, disse Liz Baker, representante do SFO, em comunicado. “Continuaremos a investigar, confiscar e recuperar ativos criminosos que são mantidos em nosso território.”

Os advogados de Faerman não retornaram um pedido de comentário deixado em seu site.

Faerman, que trabalhou como representante da empresa holandesa SBM Offshore com o objetivo de conseguir contratos da Petrobras, assinou um “acordo de cooperação” com autoridades brasileiras em 2015.

A SBM concordou em pagar US$ 238 milhões, e sua unidade nos Estados Unidos se declarou culpada para arquivar acusações de que havia subornado funcionários em cinco países, incluindo o Brasil.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.