Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.264,96
    +859,61 (+0,67%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.315,69
    -3,88 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,63
    -0,03 (-0,04%)
     
  • OURO

    1.784,80
    +1,90 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    32.604,82
    -2.662,21 (-7,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    783,66
    -66,69 (-7,84%)
     
  • S&P500

    4.224,79
    +58,34 (+1,40%)
     
  • DOW JONES

    33.876,97
    +586,89 (+1,76%)
     
  • FTSE

    7.062,29
    +44,82 (+0,64%)
     
  • HANG SENG

    28.459,13
    -29,87 (-0,10%)
     
  • NIKKEI

    28.699,06
    +688,13 (+2,46%)
     
  • NASDAQ

    14.135,25
    +5,25 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9746
    -0,0007 (-0,01%)
     

Ex-Recovery traz nova gestora de crédito vencido para o Brasil

·1 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A empresa sueca de recuperação de crédito Intrum montou um escritório no Brasil e já tem R$ 2 bilhões em dívidas sob administração, disse o presidente da Intrum no Brasil, Ulisses Rodrigues.

Jeff Hoberman, fundador e controlador da Recovery em 2000, empresa de recuperação comprada pelo Itaú Unibanco em 2016, foi o responsável por trazer a Intrum para o o Brasil. Hoberman é o presidente do conselho da nova empresa e recrutou Rodrigues em abril de 2020. Rodrigues já havia atuado no mercado de cobrança antes, como responsável pela operação da Credigy no país entre 2004 e 2017. A equipe total tem cerca de 30 pessoas.

“A inadimplência vai explodir em 2021 e o mercado vai precisar de liquidez. Queremos estar prontos para essa oportunidade”, disse Rodrigues em entrevista. A Intrum vai se concentra em comprar créditos de pessoas físicas, em particular financiamento ao consumo e crédito imobiliário, vendidas por bancos e incorporadoras.

Os bancos brasileiros têm adotado várias “medidas de contenção” para o avanço da inadimplência, o que tem retardado o aumento dos índices, afirma Rodrigues. Desde o começo da crise, as grandes instituições financeiras renegociaram dívidas de clientes ou congelaram parcelas por alguns meses, o que atrasa a entrada desses créditos em inadimplência.

No Santander Brasil, por exemplo, a inadimplência acima de 90 dias da pessoa física de junho estava menor do que em dezembro -- caindo de 4% para 3,5%. No Bradesco, o índice ficou praticamente estável.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos