Mercado abrirá em 3 h 12 min
  • BOVESPA

    130.207,96
    +766,93 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.029,54
    -256,92 (-0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,10
    +0,22 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.866,20
    +0,30 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    39.947,55
    -192,18 (-0,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.001,81
    +32,97 (+3,40%)
     
  • S&P500

    4.255,15
    +7,71 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.393,75
    -85,85 (-0,25%)
     
  • FTSE

    7.181,12
    +34,44 (+0,48%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.140,25
    +15,50 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1523
    +0,0208 (+0,34%)
     

Ex-presidente iraniano Ahmadinejad será, de novo, candidato à Presidência

·1 minuto de leitura
Ex-presidente iraniano Mahmud Ahmadinejad será candidato mais uma vez

O ex-presidente iraniano Mahmud Ahmadinejad apresentou sua candidatura oficialmente, nesta quarta-feira (12), para as eleições presidenciais, que terão seu primeiro turno em 18 de junho.

A imprensa iraniana estima, porém, que as chances de obter a aprovação do Conselho de Guardiães, órgão encarregado de validar as candidaturas, são baixas.

Neste caso, "declararei que não aprovo estas eleições e não participarei delas" apoiando um candidato, nem irei votar, disse Ahmadinejad após apresentar sua candidatura ao Ministério do Interior.

"Milhões de pessoas em todo país me convidaram a me apresentar às eleições e até me incentivaram a vir aqui me registrar, colocando uma grande responsabilidade sobre os meus ombros", disse Ahmadinejad.

Repetindo, como faz há anos, que a população perdeu a confiança nas autoridades do país, o ex-presidente de 64 anos avaliou que as eleições de junho podem ser "a última oportunidade" de salvar a República Islâmica dos desafios que tem de enfrentar por razões "internas" e "internacionais".

Ahmadinejad foi presidente de 2005 a 2013.

Em 2009, protestos contra sua reeleição varreram a República Islâmica. Em 2013, ele deixou o cargo e foi substituído pelo atual presidente, Hassan Rohani, impedido pela Constituição iraniana de disputar um terceiro mandato consecutivo.

Em 2017, o ex-presidente ultraconservador e populista tentou, mais uma vez, ser eleito, mas sua candidatura foi rejeitada.

Ao longo dos anos, o ex-presidente se tornou uma pedra no sapato do governo, pois questiona a maioria das decisões, ou posições, dos dirigentes atuais.

ap-mj/feb/bl/zm/tt