Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.427,98
    -339,48 (-0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.170,78
    +40,90 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,17
    +0,09 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.777,60
    -5,80 (-0,33%)
     
  • BTC-USD

    33.538,75
    +1.239,18 (+3,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    807,55
    -2,64 (-0,33%)
     
  • S&P500

    4.241,84
    -4,60 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    33.874,24
    -71,34 (-0,21%)
     
  • FTSE

    7.074,06
    -15,95 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    28.817,07
    +507,31 (+1,79%)
     
  • NIKKEI

    28.874,89
    -9,24 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    14.282,50
    +19,50 (+0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9300
    +0,0015 (+0,03%)
     

Ex-presidente da Volkswagen é acusado de falso testemunho

·1 minuto de leitura
Martin Winterkorn, ex-presidente da Volkswagen, teria mentido sobre quando soube dos programas ilegais do caso que ficou conhecido como "Dieselgate"
Martin Winterkorn, ex-presidente da Volkswagen, teria mentido sobre quando soube dos programas ilegais do caso que ficou conhecido como "Dieselgate"

Martim Winterkorn, ex-presidente da Volkswagen, foi acusado de falso testemunho a uma comissão parlamentar de inquérito pela Procuradoria de Berlim, na Alemanha. O executivo teria "mentido propositalmente" aos deputados sobre o caso conhecido como “Dieselgate”.

O “Dieselgate” foi um escândalo envolvendo a montadora alemã, que teria se utilizado de técnicas fraudulentas para a redução de emissões de dióxido de carbono e de óxido de nitrogênio, através da manipulação de motores, entre os anos de 2009 e 2015.

Leia também:

A Volkswagen reconheceu posteriormente que equipou pelo menos 11 milhões de seus veículos movidos a diesel com um programa que “disfarçava” a poluição que de fato geravam.

A acusação afirma que Winterkorn mentiu sobre quando soube dos programas ilegais. Segundo a promotoria, ele tinha conhecimento de que os carros não passariam nos testes antipoluição desde maio de 2015, mas o ex-presidente da montadora declarou que não sabia dessa possibilidade até setembro de 2015, pouco antes de o escândalo vir à tona.

O caso já custou à Volkswagen 30 bilhões de euros e processos em diversos países, em especial nos Estados Unidos, onde a montadora declarou sua culpa pela fraude em 2017.

Além de Winterkorn, outros ex-executivos das 12 marcas do Grupo Volkswagen serão julgados em setembro sob a acusação de "fraude em organização criminosa". O ex-presidente ainda deverá pagar uma indenização de cerca de 11 milhões de euros à montadora.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos