Mercado abrirá em 53 mins
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,07
    -1,59 (-1,92%)
     
  • OURO

    1.801,10
    +2,30 (+0,13%)
     
  • BTC-USD

    61.074,84
    +1.937,78 (+3,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.469,29
    -5,04 (-0,34%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.242,96
    -10,31 (-0,14%)
     
  • HANG SENG

    25.555,73
    -73,01 (-0,28%)
     
  • NIKKEI

    28.820,09
    -278,15 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    15.667,00
    +79,75 (+0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4215
    -0,0032 (-0,05%)
     

Ex-presidente da GM quer salvar indústrias no Brasil após conhecer dificuldades do setor

·4 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Carlos Zarlenga está de volta à indústria, 40 dias após surpreender o mercado ao deixar a presidência da General Motors na América do Sul. Ou melhor, está de volta às indústrias, no plural.

O executivo trocou um dos cargos mais ambicionados no mundo corporativo pelo desejo de permanecer no Brasil -seu próximo passo na montadora certamente seria em outro país- e também pela vontade de ser sócio de um negócio focado em sustentabilidade.

Ele agora é cofundador da Qell Latam Partners, uma plataforma de investimento voltada a setores industriais, com destaque para o automotivo.

Um dos objetivos é promover aquisições e recuperar empresas com problemas de rentabilidade, algo que Zarlenga conhece bem.

"Falo das dificuldades da indústria nacional há bastante tempo", afirma o novo empreendedor, que expôs os entraves ao longo de sua gestão à frente da GM. "Os investimentos feitos nas últimas décadas em diferentes empresas não geraram o retorno esperado."

O momento mais agudo em seus cinco anos à frente da montadora ocorreu em janeiro de 2019, quando Zarlenga assinou um memorando enviado a funcionários expondo a situação complicada da empresa no Brasil.

Na época, após três anos de fortes perdas, a presidente global da GM, Mary Barra, mencionou a possibilidade de a montadora sair do Brasil.

Os anos passaram, a empresa ficou, mas o acúmulo de crises gerou outras perdas no setor. Entre 2020 e 2021, a Ford fechou suas fábricas no país e a Mercedes encerrou a produção de carros de passeio em Iracemápolis (interior de São Paulo).

A visão do negócio de Zarlenga é evitar que soluções traumáticas como essas ocorram na América Latina, em especial no Brasil.

"Se olharmos as projeções até 2030, vemos que apontam para um crescimento de 5% ao ano no país. Mas o que tem acontecido? O que pega mais, na verdade, é a volatilidade, tanto do câmbio como do volume", afirma o executivo.

Para Zarlenga, o fato de 80% das indústrias serem multinacionais cria desafios diante das necessidades do Brasil, que necessita de decisões e investimentos diferentes dos tomados a nível global.

"Nos EUA, na China e na Europa, a eletrificação vai estar em 60% dos veículos vendidos em 2030. Para nossa região, o consenso é que será entre 15% e 20%, a taxa de adoção vai ser bem mais lenta."

Esse gap entre o que acontece nos mercados mais robustos e a realidade dos trópicos é visto como uma janela de negócio pela Qell. "Neste momento, o que surge é uma grande oportunidade para empresas que têm dúvidas sobre continuar no Brasil", diz Zarlenga.

"A primeira coisa é focar em desenvolver produtos que sejam viáveis na América do Sul, não só trazer produtos de fora e tentar adaptar. É necessário aproveitar a ociosidade, gerar mais trabalho, isso é o que tentaremos fazer para entrar em um ciclo virtuoso."

Como a estratégia é pautada em sustentabilidade, a análise do que é viável passa pelo maior uso do etanol como combustível.

"O etanol tem grande potencial, não tenho dívida, ainda mais no Brasil. Tudo o que precisamos já existe, e podemos fazer mais. Se olharmos para a performance do Brasil em emissões, o país está em um patamar muito bom", afirma Zarlenga.

A Qell tem sede em São Francisco, Califórnia. Seus fundadores são Barry Engle e Sam Gabbita, que, além de captar US$ 830 milhões nos últimos meses, promoveram uma operação de fusão de US$ 3 bilhões com a aeroespacial Lilium Air Mobility. Em agosto, essa empresa anunciou uma aliança de US$ 1 bilhão com a companhia aérea brasileira Azul para a utilização de EVTOLs (aeronaves de aterrissagem e decolagem verticais).

Ou seja, há cifras bilionárias na mesa, e esse dinheiro será utilizado em aquisições focadas no setor automotivo. E não é apenas o nome de Carlos Zarlenga que já é conhecido no setor. Engle, que é também o presidente do conselho de administração da divisão latino-americana da Qell, atua há 30 anos nessa indústria.

Ele esteve à frente da GM North America e também cuidou da divisão internacional da montadora, acumulando o cargo de presidente da empresa na América do Sul a partir de 2015. Em 2019, essa função foi passada para Zarlenga, que naquele momento presidia a marca no Brasil.

Portanto, basta juntar os pontos para entender o que aconteceu. Engle deixou a GM em 2020 para criar a Qell, já com o pensamento de adquirir e desenvolver empresas relacionadas à indústria automotiva e mantendo o foco na sustentabilidade.

O negócio cresceu de forma vultosa e, para se expandir na América Latina, seria necessário um nome que conhecesse as especificidades desse mercado -e Zarlenga já tinha mostrado suas competências ao longo dos anos de trabalho conjunto na montadora americana.

Em nota, Engle diz que a atual fraqueza macroeconômica na América Latina, exacerbada pela pandemia global, levou à redução dos investimentos, menos empregos e menos conteúdo local.

"Contudo estamos otimistas quanto às perspectivas econômicas futuras da região, vemos isto como um ponto de entrada interessante para os investidores e acreditamos que existe uma oportunidade de reformular e reforçar o setor automotivo local", diz o texto assinado pelo executivo americano.

Zarlenga acreditou no projeto e também deixou a montadora para trás, mas sem rancores. "A GM é uma empresa muito boa, só tenho coisas boas para falar, deixei muitos amigos por lá."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos