Mercado fechará em 2 h 22 min
  • BOVESPA

    108.467,02
    +529,91 (+0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.361,50
    -529,09 (-1,04%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,80
    +1,49 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.847,60
    +5,90 (+0,32%)
     
  • BTC-USD

    36.759,01
    +2.434,18 (+7,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    835,73
    +15,15 (+1,85%)
     
  • S&P500

    4.308,77
    -101,36 (-2,30%)
     
  • DOW JONES

    33.877,60
    -486,90 (-1,42%)
     
  • FTSE

    7.378,04
    +80,89 (+1,11%)
     
  • HANG SENG

    24.243,61
    -412,85 (-1,67%)
     
  • NIKKEI

    27.131,34
    -457,03 (-1,66%)
     
  • NASDAQ

    14.123,25
    -377,75 (-2,60%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1940
    -0,0347 (-0,56%)
     

Ex-mulher de Bezos doa R$ 4,2 milhões para ONG brasileira

·3 min de leitura
Ex-mulher de Bezos tornou-se uma personagem importante da filantropia global
Ex-mulher de Bezos tornou-se uma personagem importante da filantropia global

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma das maiores filantropas do mundo, MacKenzie Scott, doou R$ 4,2 milhões para o Vetor Brasil, organização que atua com o setor público. A verba será destinada para produtos online que deverão ajudar gestores a dar mais eficiência a suas áreas. 

"Se a pessoa quer trabalhar com impacto social em escala, o governo é um lugar legítimo para se fazer isso", diz Joice Toyota, cofundadora da ONG. Com essa premissa, desde 2015 o Vetor capacita profissionais para atuar na administração pública e faz pareamentos entre candidatos e vagas em todo o Brasil. 

Scott é ex-mulher do bilionário Jeff Bezos, fundador do gigante de tecnologia Amazon. 

A organização já tem expertise em alocação de profissionais na gestão pública: pelo Vetor, mais de 700 pessoas já foram para governos estaduais e municipais de todos os estados do Brasil em áreas como cultura, esporte e saneamento. 

Do lado da ONG, há investimento em seleção e capacitação. Na outra ponta, o governo disponibiliza um cargo comissionado. "Para um governo contratar uma pessoa que foi selecionada pelo Vetor, ele abre mão de uma indicação política. Essa sinalização é importante para a gente", diz Toyota. 

Quando começou, a empreendedora ouvia que seria difícil achar gestores dispostos a fazer tal concessão. "Hoje nós temos uma demanda dos governos que não conseguimos atender", conta. 

Por isso, a doação vem em boa hora: o espaço virtual também invadiu a entidade nos últimos anos, em consonância com a transformação tecnológica forçada pela pandemia. No ano passado, eles criaram um braço que desenvolve plataformas de serviços online para apoiar os governos. A verba vai justamente para esse setor. 

"Ao longo dos últimos seis anos, o Vetor trabalhou bastante com esses programas que são mais próximos dos governos e dos participantes. Percebemos que, com essa expertise, poderíamos criar produtos online com escala maior —e até alcançar o nosso sonho de atingir as prefeituras, que são os entes mais desatendidos", afirma Toyota. 

A ideia é que o projeto seja uma caixinha de ferramentas para o gestor público usar. 

Quando o secretário de educação de um município precisar escolher os diretores das escolas, por exemplo, ele vai poder submeter os candidatos a uma certificação da plataforma e formar a sua equipe para fazer entrevistas profissionais. 

O pareamento entre profissionais e cargos em todo o Brasil —operação do mais famoso projeto da ONG, o Trainee de Gestão Pública— também será ofertado online. 

"Todo real que a gente está investindo não é para apoiar apenas uma prefeitura. É para desenvolver um produto que vai ser útil para todo mundo. A gente já estava nessa toada e o apoio da Mackenzie chegou em um timing perfeito", diz Toyota. 

A equipe da Mackenzie não terá interferência na ONG. A doação, feita após processo de análise de seis meses, é irrestrita e não exigirá prestação de contas. A ideia é que a organização, que tem conhecimento do cenário local, tenha liberdade para aplicar o dinheiro da maneira que julgar mais interessante. 

Para a dinâmica da organização, Toyota diz que o maior impacto será ter a possibilidade de "errar, aprender rápido e ajustar esses produtos para que eles ganhem escala". 

"No mundo de setor privado, isso parece óbvio. No terceiro setor, a carta branca para execução é uma novidade", afirma. 

A ONG, segundo a fundadora, é suprapartidária e trabalha com governos de 14 partidos diferentes, "do PSL ao PC do B". 

"A gente pode pensar diferente em muitas coisas. Por exemplo: tamanho do Estado. A gente não vai entrar nessa discussão, mas uma vez que o recurso está ali, como fazer a melhor gestão possível para entregar o melhor serviço?", diz.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos