Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.622,16
    +644,07 (+1,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Ex-médico Roger Abdelmassih voltará para a prisão

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO - Condenado a 278 anos, o ex-médico Roger Abdelmassih vai voltar a cumprir pena em regime fechado. A decisão foi tomada nesta quinta-feira pela 6ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça, ao analisar pedido apresentado pelo Ministério Público de São Paulo. Ele foi condenado por crimes de estupro e atentado ao pudor praticados contra mais de 70 pacientes.

O promotor Marcelo Negrini de Oliveira Mattos, da Promotoria de Justiça de Taubaté, argumentou que o estado de saúde de Abdelmassih não requer concessão do benefício de prisão domiciliar. Um atestado feito por perito do Centro de Apoio à Execução atestou que o médico possui condições físicas de continuar a cumprir pena em unidade prisional.

Ele cumpre pena no presídio de Tremembé, no Vale do Paraíba, em São Paulo.

Abdelmassih está em prisão domiciliar, com tornozeleira eletrônica, desde maio passado, quando a juíza Sueli Zeraik, da Vara de Execuções Criminais (VEC) de Tremembé, considerou que o estado de saúde dele era delicado e exigia cuidados constantes, que não seriam possíveis na prisão.

“Está evidenciado nos autos que o sentenciado em questão conta com setenta e seis anos de idade, apresenta quadro clínico bastante debilitado, experimenta atualmente considerável piora em seu estado de saúde, necessita de cuidados ininterruptos, medicação constante e em horários diversificados, exames frequentes e específicos, assim como alimentação especial e vigilância contínua, tanto da área médica como de enfermagem”, escreveu a juíza na época.

Em março de 2020 o ex-médico chegou a receber o benefício da prisão domiciliar por ser considerado integrante do grupo de risco de contrair o coronavírus. A decisão foi revogada em agosto pelo Tribunal de Justiça de São Paulo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos