Mercado fechará em 6 h 18 min
  • BOVESPA

    98.060,55
    -481,41 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.524,45
    -537,16 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,38
    +2,62 (+2,48%)
     
  • OURO

    1.794,70
    -12,60 (-0,70%)
     
  • BTC-USD

    19.275,48
    +171,43 (+0,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    414,55
    -5,58 (-1,33%)
     
  • S&P500

    3.795,85
    +10,47 (+0,28%)
     
  • DOW JONES

    30.861,43
    +86,00 (+0,28%)
     
  • FTSE

    7.171,98
    +2,70 (+0,04%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.472,25
    -57,25 (-0,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5348
    +0,0292 (+0,53%)
     

Ex-funcionário da Tesla recusa indenização de R$ 77 milhões

Fábrica da Tesla em Fremont, na qual Owen Diaz trabalhava (Getty Images)
Fábrica da Tesla em Fremont, na qual Owen Diaz trabalhava

(Getty Images)

  • Ex-funcionário da Tesla recusa indenização de R$ 77 milhões;

  • Owen Diaz processa a montadora por racismo e cobra pagamento de R$ 703 milhões;

  • Caso é apenas um entre os vários polêmicos que a montadora enfrenta.

Um ex-funcionário da Tesla, que acusou a empresa de abuso racial, rejeitou a indenização de US$ 15 milhões (R$ 77 milhões) definida pela Justiça. Segundo a equipe de advocacia de Owen Diaz, que atuava como operador de elevador na montadora de Elon Musk, a quantia é insuficiente.

Segundo o Business Insider, os advogados alegam que a recusa é uma forma de fazer com que os juízes reavaliem o caso e façam com que a Tesla forneça “uma compensação justa pela torrente de insultos racistas dirigidos a ele [Owen]". O valor inicialmente pedido por Diaz era de US$ 137 milhões (R$ 703 milhões).

Em contrapartida, a Tesla alega que a indenização deveria ser de apenas US$ 600 mil (R$ 3 milhões) e chegou a entrar com uma moção para que um novo julgamento fosse feito. Entretanto, o juiz recusou o pedido, contanto que Diaz aceite o pagamento fixado.

O processo foi iniciado em outubro de 2021 e, em abril deste ano, uma decisão fixou o valor em US$ 15 milhões.

Polêmicas

Diaz processou a Tesla após ter sofrido injúrias raciais durante sua passagem pela fábrica de Fremont. Segundo o ex-funcionário, ele e outros colegas negros sofriam com apelidos discriminatórios, ordens de “voltar para a África” e até pichações ofensivas ao seu tom de pele nos banheiros e em desenhos espalhados em sua estação de trabalho.

Este, no entanto, não é o primeiro caso de racismo enfrentado pela Tesla. Segundo uma reportagem da CNBC, a empresa pagou US$ 1 milhão a outro ex-trabalhador, Melvin Berry, que também sofreu com o ambiente de trabalho racista e hostil da empresa.

Existe ainda no condado de Alameda, na Califórnia, uma ação pendente movida por um outro funcionário. Nela, ele afirma que a Tesla está repleta de discriminação racista e assédio.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos