Mercado abrirá em 3 h 52 min
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,76
    +0,33 (+0,54%)
     
  • OURO

    1.784,70
    +2,70 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    48.547,18
    -5.369,73 (-9,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.109,58
    -133,47 (-10,74%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.926,43
    -11,81 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    29.078,75
    +323,41 (+1,12%)
     
  • NIKKEI

    29.020,63
    -167,54 (-0,57%)
     
  • NASDAQ

    13.776,25
    +26,00 (+0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5540
    +0,0124 (+0,19%)
     

Ex-funcionários do Google criam buscador que não vende dados do usuário

Wagner Wakka
·2 minuto de leitura

Ex-funcionários do Google estão se unindo para criar um mecanismo de buscas que não vende informações dos usuários para publicidade e terceiros. A plataforma se chama Neeva e promete um grande foco em proteção e privacidade do usuário.

O projeto é encabeçado por Sridhar Ramaswamy, que trabalhou por 15 anos no Google e foi o responsável direto pela venda de informações para empresas e publicidade no buscador; e Vivek Raghunathan, que trabalhou como vice-presidente de monetização do YouTube.

<em>Ex-googlers envolvidos no projeto (Foto: Divulgação/Neeva)</em>
Ex-googlers envolvidos no projeto (Foto: Divulgação/Neeva)

Além da segurança e privacidade, o Neeva tem um modelo de negócios completamente diferente do Google. Enquanto o buscador e concorrentes como DuckDuckGo, Bing e outras ferramentas do tipo são gratuitas, o Neeva será pago, com um custo entre US$ 5 e US$10 por mês. Ou melhor, entre R$ 27 e R$ 55 aqui no Brasil na conversão atual.

Com isso, os desenvolvedores garantem que têm investimento suficiente para não terem de vender informações dos usuários para manutenção de seus negócios. Além disso, o Neeva já recebeu aporte de US$ 40 milhões de investimentos de companhias como a Sequoia Capital e Greylock para manter o desenvolvimento inicial do projeto.

Isso significa que o Neeva não tem acesso nenhum dado de quem faz as buscas? Não é bem assim. Segundo a empresa, há coleta de informações como endereço de e-mail, número de telefone, localização entre outras. A diferença é que isso só é usado internamente.

O objetivo da coleta de dados aqui é refinar os mecanismos de busca da plataforma, sem que as informações sejam passadas a terceiros. De acordo com Ramaswamy e Raghunathan, os dados também são apagados 90 dias após coletados (o Google também faz isso, mas após 18 meses).

O sistema ainda não está no ar, mas já aceita inscrições de interessados a serem os primeiros a aderirem ao buscador.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: