Mercado abrirá em 3 h 4 min
  • BOVESPA

    113.583,01
    +300,34 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.598,53
    +492,82 (+0,96%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,25
    +0,80 (+1,06%)
     
  • OURO

    1.738,70
    -13,30 (-0,76%)
     
  • BTC-USD

    42.004,60
    -1.550,26 (-3,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.042,24
    -59,28 (-5,38%)
     
  • S&P500

    4.443,11
    -12,37 (-0,28%)
     
  • DOW JONES

    34.869,37
    +71,37 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.035,18
    -28,22 (-0,40%)
     
  • HANG SENG

    24.500,39
    +291,61 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.183,96
    -56,10 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.994,75
    -200,00 (-1,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2839
    -0,0229 (-0,36%)
     

Ex-funcionário pede que justiça procure bitcoins de empresa onde trabalhou

·2 minuto de leitura
Bandeira do Brasil, martelo da justiça e Bitcoin pede
Bandeira do Brasil, martelo da justiça e Bitcoin pede

A sexta Câmara do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-15), em Campinas, julgou um caso nos últimos dias em que um ex-funcionário pede que bitcoins em posse dos sócios de uma empresa sejam revelados para o pagamento de uma dívida trabalhista.

O problema da dívida havia começado ainda no município de Assis, interior de São Paulo, quando o juiz da primeira instância analisava o caso. Naquele tribunal, o Juíz da Vara do Trabalho negou o pedido afirmando que “o resultado obtido na pesquisa já realizada não apontou indícios de patrimônio para exaurimento da execução”.

Vale o destaque que a justiça ainda não sabe se os sócios da empresa realmente possuem Bitcoin, por isso irá enviar ofícios para corretoras.

Entenda a decisão da Justiça do Trabalho deferida para um ex-funcionário que pede Bitcoin de sócios de empresa que trabalhou

Ao ver que o tribunal de primeira instância do Trabalho negou seu pedido, um ex-funcionário recorreu da decisão no TRT-15, em busca de reformar a decisão.

Para o ex-funcionário, é fundamental que a justiça trabalhista encontre Bitcoin em posse dos sócios da empresa em que trabalhou, que ainda mantém dividas trabalhistas com ele.

O relator do caso então, desembargador Jorge Luiz Souto Maior, concordou com o ex-funcionário. Segundo o magistrado, “por se tratar de uma pesquisa estritamente patrimonial, não é empecilho a inexistência de convênio junto ao Tribunal nesse sentido”.

Assim, a Receita Federal será intimada a declarar se os sócios da empresa possuem Bitcoin, observando as declarações de imposto de renda recente. Além disso, o desembargador deferiu a expedição de ofício a plataforma “bitcoin.com“, que curiosamente não tem sede no Brasil, ligada à comunidade Bitcoin Cash.

“A decisão determinou também a inclusão dos executados no sistema do SERASAJUD, bem como a expedição de certidão de protesto em face da executada e de seus sócios.”

A votação foi unânime pelos magistrados da 6.ª Câmara do TRT-15, demonstrando que a busca por criptomoedas também poderá ser feita em casos de dívidas trabalhistas.

Vale o destaque que a justiça brasileira já trabalha na evolução do Sisbajud, para contemplar pesquisas em corretoras de criptomoedas. Esse sistema efetua buscas em instituições financeiras ligadas ao Banco Central e ajuda a justiça a bloquear valores em processos judiciais, mas ainda não contempla as criptomoedas.

Apesar de concordar com o ex-funcionário sobre o bloqueio de Bitcoin dos sócios da empresa, a justiça indeferiu pedidos de “a suspensão da CNH, cancelamento ou suspensão dos cartões de crédito dos executados e bloqueio de serviços de telefonia/internet fixa e móvel dos executados”.

Fonte: Livecoins

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos