Mercado fechado

Ex-esposa de astronauta é acusada de mentir sobre suposto "crime espacial"

Daniele Cavalcante

Em meados de 2019, a astronauta Anne McClain, da NASA, foi acusada de cometer o primeiro crime já praticado no espaço. Ela teria acessado a conta bancária da ex-esposa, Summer Worden, a partir da Estação Espacial Internacional (ISS), onde viveu por seis meses. Agora, Worden está sendo acusada de mentir sobre a acusação.

Acontece que, desde o início, quando o caso ganhou notoriedade na mídia, McClain confirmou o acesso, mas negou o crime. Ela garantiu que a conta era mantida em conjunto por ambas mesmo após a separação e afirmou que, embora a conta estivesse no nome da ex-esposa, Worden jamais deu indicação de que a astronauta parasse de acessar e gerenciar os fundos.

Uma movimentação da conta foi feita na época do suposto crime. A astronauta afirmou que realizou ações normais do cotidiano e separou dinheiro para cuidar de um filho adotado pela companheira. A acusação de crime ganhou grande notoriedade da mídia por ter sido supostamente o primeiro "crime espacial", o que levou à reflexão sobre como futuros crimes no espaço poderiam ser julgados.

Agora, de acordo com uma declaração divulgada por Ryan Patrick, da Procuradoria do Estado dos Estados Unidos no Distrito Sul do Texas, Worden foi acusada de mentir sobre o suposto crime. "Uma acusação federal foi feita contra uma mulher de 44 anos por fazer declarações falsas às autoridades federais", diz o comunicado. Isso significa que Worden está formalmente sendo acusada de uma conduta criminal, embora ainda não haja nenhuma conclusão sobre o caso.

A astronauta Anne McClain, acusada de praticar o primeiro crime no espaço (Foto: NASA)

Worden havia afirmado em sua acusação que, em 2018, havia impedido o acesso de McClain, alterando suas informações de login. A astronauta se defendeu, afirmando que essas informações jamais foram modificadas e, de acordo com a nova acusação, Worden e McClain compartilharam o acesso a várias contas bancárias online até pelo menos 31 de janeiro de 2019. Também foi verificado que as credenciais de login, de fato, não haviam sido alteradas.

De acordo com a acusação, foram dois atos criminosos distintos: primeiro, quando Worden fez declarações falsas à Comissão Federal de Comércio em março de 2019 e depois ao repetir a história ao Escritório do Inspetor-Geral da NASA em julho de 2019. Ambos os órgãos estão conduzindo esse processo.

Se Worden for considerado culpada dessas acusações, ela poderá ser condenada a até cinco anos de prisão por cada uma das duas acusações e uma multa de US$ 250.000, de acordo com o comunicado.


Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: