Mercado abrirá em 21 mins
  • BOVESPA

    98.657,65
    +348,53 (+0,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.655,45
    -221,04 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,98
    +0,15 (+0,37%)
     
  • OURO

    1.908,10
    -3,60 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    11.784,63
    +727,62 (+6,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    238,03
    +4,36 (+1,87%)
     
  • S&P500

    3.426,92
    -56,89 (-1,63%)
     
  • DOW JONES

    28.195,42
    -410,89 (-1,44%)
     
  • FTSE

    5.899,58
    +14,93 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    24.569,54
    +27,28 (+0,11%)
     
  • NIKKEI

    23.567,04
    -104,09 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    11.727,00
    +76,75 (+0,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6043
    +0,0054 (+0,08%)
     

Ex-delegado tentou obstruir investigação contra Cristiane Brasil e Pedro Fernandes, diz MPRJ

O Globo
·1 minuto de leitura
O ex-delegado Mario Jamil Chadud foi preso por suspeita de fazer parte de esquema de desvios no governo do Rio
O ex-delegado Mario Jamil Chadud foi preso por suspeita de fazer parte de esquema de desvios no governo do Rio

RIO — Suspeito de fazer parte do esquema de supostos desvios de contratos de assistência social, o ex-delegado Mario Jamil Chadud tentou obstruir a investigação contra Cristiane Brasil e Pedro Fernandes, também alvos da segunda fase da Operação Catarata. De acordo com a denúncia do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), ainda durante a primeira fase da operação, Chadud retirou do local uma série de documentos, computadores e dinheiro em espécie da sede da Servlog Rio, que pertence ao seu filho, Flavio Salomão Chadud, e à nora, Marcelle Chadud. A empresa está localizada no Shopping Downtown, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio.

Pai e filho foram denunciados pelos crimes de organização criminosa, fraudes licitatórias, peculato, corrupção ativa, corrupção passiva, lavagem de capitais, além do crime de embaraçar investigação de organização criminosa. O MPRJ, por meio da Promotoria Especializada de Justiça de Investigação Penal, e a Polícia Civil do Estado, por meio da Corregedoria Geral (CGPOL), cumpriram os mandados de prisão contra a dupla, além de Pedro Fernandes, Cristiane Brasil e o ex-diretor de administração financeira da Fundação Leão XIII João Marcos Borges Mattos.

A denúncia oferecida pelo MPRJ, contendo 229 páginas, baseou-se em diversos depoimentos de testemunhas, de servidores públicos e de investigados, na confissão de investigado, em inúmeras mensagens telefônicas, planilhas, cadernos de anotações contendo escrituração de distribuição de propinas, apreendidos na 1ª fase da operação, extratos bancários, e-mails e imagens obtidas de câmeras de vigilância, material que instrui mais de 30 volumes de procedimento investigatório.