Mercado abrirá em 1 h 11 min
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,21 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,96
    -0,99 (-1,34%)
     
  • OURO

    1.810,80
    -6,40 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    39.573,07
    -1.976,38 (-4,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    963,56
    +13,66 (+1,44%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,03 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.083,78
    +51,48 (+0,73%)
     
  • HANG SENG

    26.235,80
    +274,77 (+1,06%)
     
  • NIKKEI

    27.781,02
    +497,43 (+1,82%)
     
  • NASDAQ

    15.022,25
    +66,50 (+0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1960
    +0,0080 (+0,13%)
     

Ex-coordenadora do PNI diz que faltou vacina e campanha publicitária ao Brasil

·2 minuto de leitura

Por Eduardo Simões

SÃO PAULO (Reuters) – A ex-coordenadora do Programa Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde Francieli Fantinato disse em depoimento à CPI da Covid no Senado nesta quinta-feira que faltaram ao programa de vacinação contra a Covid-19 no Brasil quantidade suficiente de vacinas e uma campanha publicitária efetiva para conscientizar a população sobre a necessidade de se vacinar.

“Faltou para o PNI sob a minha coordenação quantitativo suficiente para execução rápida de uma campanha e campanhas publicitárias para a segurança dos gestores, profissionais de saúde e população brasileira” disse ela.

“Para um programa de vacinação ter sucesso é simples: é necessário ter vacinas e é necessário ter uma campanha publicitária efetiva. Infelizmente eu não tive nenhum dos dois”, acrescentou.

Francieli iniciou seu depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na condição de investigada, tendo em mãos, inclusive um habeas corpus que a autoriza a não assinar compromisso de dizer a verdade.

Segundo ela, a politização da vacinação contra a Covid-19 foi um dos motivos para deixar o cargo recentemente. E ao referir-se indiretamente ao presidente Jair Bolsonaro, afirmou que declarações questionando a eficácia ou a necessidade das vacinas prejudicam o processo de imunização da população.

“Quando o líder da nação não fala favorável, a minha opinião pessoal é que isso pode trazer prejuízos”, afirmou, sobre as constantes declarações de Bolsonaro contra a vacinação.

“Essa politização do assunto fez com que eu decidisse caminhar com as minhas questões pessoais”, afirmou, ao explicar o que a levou a decidir deixar o cargo. “Essa politização trouxe até para mim a condição de investigada sem eu ter sequer sido ouvida.”

Francieli externou desconforto à CPI por estar ali na condição de investigada, uma vez que não havia sequer sido ouvida.

No decorrer do depoimento, diante das declarações da ex-coordenadora, o vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), afirmou que ela prestou uma “colaboração fenomenal”, razão pela qual não precisaria estar ali na condição de investigada.

“A dra. Francieli hoje traz uma contribuição fundamental a esta Comissão Parlamentar de Inquérito que não deixa dúvidas… de quem é que não tem vez neste governo: são técnicos dessa natureza”, disse Randolfe.

“Técnicos que defendem a ciência, técnicos que defendem a vacina, técnicos que defendem o uso de máscaras, as medidas adequadas, que deveriam ter sido adotadas desde o início do enfrentamento da pandemia.”

A sugestão do vice-presidente foi prontamente atendida pelo relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL), que havia determinado a condição de investigada sobre Francieli.

(Reportagem adicional de Maria Carolina Marcello)

This article was originally posted on FX Empire

More From FXEMPIRE:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos