Mercado fechará em 4 h 39 min
  • BOVESPA

    110.063,39
    -125,18 (-0,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.020,65
    +221,19 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,01
    -0,24 (-0,32%)
     
  • OURO

    1.788,70
    +6,30 (+0,35%)
     
  • BTC-USD

    16.856,64
    -159,34 (-0,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    395,68
    -6,13 (-1,53%)
     
  • S&P500

    3.941,26
    -57,58 (-1,44%)
     
  • DOW JONES

    33.596,34
    -350,76 (-1,03%)
     
  • FTSE

    7.516,44
    -4,95 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    18.814,82
    -626,36 (-3,22%)
     
  • NIKKEI

    27.686,40
    -199,47 (-0,72%)
     
  • NASDAQ

    11.493,00
    -73,00 (-0,63%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4950
    +0,0163 (+0,30%)
     

Ex-chefe do Twitter pede desculpas por demissões promovidas por Musk

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Diante da onda de demissões no Twitter após a aquisição pelo bilionário Elon Musk, o ex-presidente da empresa Jack Dorsey usou a própria plataforma neste sábado (5) para pedir desculpas.

Dorsey escreveu que tem percebido que muitos estão com raiva dele e declarou ser responsável por ter feito a empresa crescer rápido demais.

Após meses de discussões sobre a venda da do Twitter para Musk, o negócio de US$ 44 bilhões (R$ 221 bilhões) foi finalmente fechado há pouco menos de duas semanas.

Estima-se que cerca de 3.700 funcionários, metade dos empregados da empresa, serão desligados em todo o mundo, inclusive no Brasil.

"As pessoas no Twitter do passado e do presente são fortes e resilientes. Eles sempre encontrarão um caminho, por mais difícil que seja o momento. Percebo que muitos estão com raiva de mim. Assumo a responsabilidade pelo motivo de todos estarem nessa situação: aumentei o tamanho da empresa muito rapidamente. Desculpe-me por isso", escreveu Dorsey.

Existe ao menos uma ação coletiva de ex-funcionários contra o Twitter que dizem que não foram notificados adequadamente de sua rescisão.

"Elon Musk tem um histórico de violação das leis trabalhistas da Califórnia, já que a Tesla foi atingida por um número chocante de processos de assédio sexual e racial", disse a advogada Lisa Bloom ao jornal Guardian, afirmando estar em contato com funcionários do Twitter.

A saída de anunciantes do Twitter ganhou força nesta sexta-feira (4), em meio ao temor crescente de que desinformação e discursos de ódio pudessem se espalhar na plataforma sob a liderança de Elon Musk, reportou a agência de notícias Reuters.

O Grupo Volkswagen juntou-se a várias outras empresas ao recomendar que suas marcas automotivas, que incluem Audi, Lamborghini, Bentley e Porsche, suspendam seus gastos no Twitter, temendo que seus anúncios possam aparecer ao lado de conteúdo problemático.

A MediaRadar, que rastreia campanhas publicitárias de milhões de empresas, disse que os dados de outubro, quando Musk assumiu o Twitter, só estarão disponíveis no final de novembro.

O Twitter tinha 3.900 anunciantes em maio e 2.300 em agosto. O número subiu para 2.900 em setembro, de acordo com a MediaRadar. A empresa de análise descobriu que a General Motors, que interrompeu seus anúncios no Twitter na semana passada, antes gastava em média US$ 1,7 milhão por mês (R$ 8,65 milhões) na plataforma.

Havia mais de mil novos anunciantes na plataforma todos os meses antes de julho, quando a disputa de Musk com o Twitter começou a se intensificar e o número de novos anunciantes caiu para 200.

Em setembro houve 668 novos anunciantes, segundo a MediaRadar. Fatores como condições econômicas provavelmente tiveram importância nesse êxodo, assim como a incerteza sobre as políticas de propriedade e moderação de conteúdo do Twitter, disse Todd Krizelman, CEO da MediaRadar, em comunicado.