Mercado fechará em 2 h 39 min

Ex-chefe do Twitter diz que empresa tinha espião chinês na folha de pagamento

Ex-chefe do Twitter diz que a empresa tinha um espião chinês na folha de pagamento (AP Photo/Jacquelyn Martin)
Ex-chefe do Twitter diz que a empresa tinha um espião chinês na folha de pagamento (AP Photo/Jacquelyn Martin)
  • O depoimento foi coletado durante uma audiência com o Comitê Judiciário do Senado dos EUA;

  • O ex-chefe de segurança do Twitter vem dando detalhes sobre falhas de segurança da empresa;

  • ele também levantou preocupações sobre a presença de agentes estrangeiros de outros países.

Durante uma audiência com o Comitê Judiciário do Senado dos EUA, o ex-chefe de segurança do Twitter que virou denunciante, Peiter Zatko, encorpou ainda mais os seus relatos sobre as práticas de segurança negligentes da empresa. Entre as novas alegações estava que a companhia tinha um agente chinês trabalhando para o Ministério da Segurança do Estado (MSS) do país em sua folha de pagamento.

Durante sua declaração de abertura, o senador Chuck Grassley afirmou que “o FBI notificou o Twitter de pelo menos um agente chinês na empresa”.

Em seu depoimento, Zatko confirmou que a empresa havia sido avisada sobre a presença de agentes chineses. “Isso foi informado para mim talvez uma semana antes de eu ser sumariamente demitido”, disse Zatko. “Fui informado porque a equipe de segurança corporativa/segurança física foi contatada e informada de que havia pelo menos um agente do MSS, que é um dos serviços de inteligência da China na folha de pagamento dentro do Twitter.”

Zatko também levantou preocupações sobre a presença de agentes estrangeiros de outros países, incluindo a Índia, que ele disse "forçar" o Twitter a contratar agentes do governo.

Notavelmente, as divulgações de Zatko não são a primeira vez que o Twitter teve que lidar com a presença de agentes estrangeiros não registrados em sua folha de pagamento. Um ex-funcionário do Twitter foi recentemente condenado por atuar como agente da Arábia Saudita . Os promotores alegaram que o homem foi pago para entregar informações confidenciais sobre dissidentes.

Zatko alegou que o perigo representado por agentes estrangeiros era ainda maior devido a uma série de fatores: a grande quantidade de dados que a plataforma coleta e sua falta de visão sobre esses dados, bem como o acesso amplo e amplamente irrestrito que os engenheiros do Twitter têm a eles. . "Não é exagero dizer que um funcionário dentro da empresa poderia assumir as contas de todos os senadores nesta sala", disse Zatko.

A audiência provavelmente aumentará a pressão no Twitter, que até agora se recusou a abordar as alegações de Zatko em detalhes. O senador Grassley disse que o comitê também convidou o CEO Parag Agrawal para testemunhar na audiência, mas que ele “se recusou a comparecer”.