Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.312,10
    +1.644,45 (+1,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.807,70
    -424,50 (-0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,57
    +1,14 (+1,33%)
     
  • OURO

    1.842,70
    +30,30 (+1,67%)
     
  • BTC-USD

    42.022,79
    +391,42 (+0,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    998,67
    +3,92 (+0,39%)
     
  • S&P500

    4.577,02
    -0,09 (-0,00%)
     
  • DOW JONES

    35.300,56
    -67,91 (-0,19%)
     
  • FTSE

    7.589,66
    +26,11 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    24.127,85
    +15,07 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    27.467,23
    -790,02 (-2,80%)
     
  • NASDAQ

    15.247,25
    +41,25 (+0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1987
    -0,1084 (-1,72%)
     

Ex-CEO terá de pagar R$ 598 milhões ao McDonalds após escândalo sexual

·1 min de leitura
Foto: Getty Images.
Foto: Getty Images.
  • Ex-CEO da rede de fast food McDonald's foi demitido em 2019 após ter relações sexuais com funcionárias;

  • Steve Easterbrook pagou US$ 105 milhões em dinheiro e ações para dar fim ao processo feito pela empresa em 2020;

  • Segundo o McDonald's, o dinheiro equivale ao valor referente à demissão por justa causa por quebra de protocolos.

Steve Easterbrook, ex-CEO da rede de fast food McDonald’s, foi mandado embora em 2019 por violar políticas da companhia, após ter tido relações amorosas e sexuais com funcionárias. 

Como efeito, o ex-executivo pagou US$ 105 milhões, o equivalente a cerca de R$ 598,2 milhões, em dinheiro e ações para dar fim ao processo aberto pela empresa em agosto de 2020.

Leia também:

O McDonald’s afirma que o dinheiro a ser devolvido pelo ex-CEO equivale ao valor referente à demissão por justa causa por quebra de protocolos da empresa.

Anteriormente, Rick Hernandez, presidente da rede de fast food, e membros do conselho foram criticados por acionistas por terem feito acordo e pago direitos trabalhistas a Steve Easterbrook, para então denunciá-lo logo em seguida, em 2020, por causa dos comportamentos.

As críticas diziam que a abertura do processo por parte do McDonald’s aconteceu como forma de recuperar o valor pago ao ex-CEO anteriormente, ou seja, cerca de US$ 42 milhões na época da demissão.

Em 2020, a companhia acusou Easterbrook de ter mentido quanto ao escândalo e de ter destruído provas sobre o envolvimento com as funcionárias. 

Ainda assim, outras evidências foram encontradas nas apurações, como fotos e vídeo explícitos enviados do e-mail empresarial do ex-CEO para a conta pessoal.

O McDonald’s nega as acusações dos acionistas e alega não ter assinado acordo para a saída de Easterbrook caso soubesse anteriormente das acusações.

As informações são do UOL.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos