Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.979,96
    +42,09 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.789,31
    +417,33 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,24
    -0,25 (-0,38%)
     
  • OURO

    1.869,20
    +1,20 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    43.142,61
    -614,76 (-1,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.206,81
    -46,33 (-3,70%)
     
  • S&P500

    4.127,83
    -35,46 (-0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.060,66
    -267,13 (-0,78%)
     
  • FTSE

    7.034,24
    +1,39 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.406,84
    +582,01 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    13.198,25
    -13,75 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4310
    +0,0211 (+0,33%)
     

Ex-CEO da petroquímica Braskem se declara culpado por suborno nos EUA

·2 minuto de leitura
(Arquivo) Logo da Odebrecht, em São Paulo

O ex-CEO da petroquímica brasileira Braskem, subsidiária da construtora Odebrecht, se declarou culpado nesta quinta-feira (15) de acusações nos Estados Unidos ligadas a um esquema de suborno no valor de cerca de US$ 250 milhões, informaram autoridades americanas.

José Carlos Grubisich, cidadão brasileiro de 64 anos, admitiu estar envolvido em um esquema de suborno "para obter e manter negócios" em violação da lei americana, informou o Departamento de Justiça.

A promotoria informou que, entre 2002 e 2014, Grubisich, que foi CEO e conselheiro da Braskem e ocupou diversos cargos na Odebrecht, participou de um plano para subornar funcionários do governo brasileiro em violação à Lei de Práticas de Corrupção no Exterior (FCPA) dos Estados Unidos.

Grubisich reconheceu que concordou em pagar subornos para garantir um contrato para um importante projeto para a Petrobras, informou o Ministério Público.

Ele também admitiu ter falsificado os livros da Braskem ao registrar pagamentos a empresas fantasma offshore, como sendo pagamentos por serviços legítimos.

Além disso, reconheceu não certificar com precisão os relatórios financeiros da Braskem apresentados à Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC).

Como parte de sua confissão de culpa, Grubisich concordou em pagar cerca de US$ 2,2 milhões pelo confisco.

Grubisich foi preso em Nova York em novembro de 2019, respondendo a três acusações relacionadas a suborno e abusos do sistema financeiro americano.

Sua sentença, prevista para 5 de agosto, pode levar à pena máxima de 10 anos de prisão.

Em dezembro de 2016, a Braskem e a Odebrecht confessaram-se culpadas em Nova York por terem violado as disposições contra suborno da FCPA.

Essas então concordaram em pagar multas de cerca de 3,5 bilhões de dólares a autoridades nos Estados Unidos, Brasil e Suíça para resolver casos de suborno que incluíam vários países latino-americanos.

ad/lda/bn/mvv