Mercado fechado
  • BOVESPA

    104.466,24
    +3.691,67 (+3,66%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.927,38
    +920,22 (+1,84%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,37
    +0,87 (+1,31%)
     
  • OURO

    1.767,90
    +7,20 (+0,41%)
     
  • BTC-USD

    56.806,73
    -275,58 (-0,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.450,10
    +11,22 (+0,78%)
     
  • S&P500

    4.577,10
    +64,06 (+1,42%)
     
  • DOW JONES

    34.639,79
    +617,75 (+1,82%)
     
  • FTSE

    7.129,21
    -39,47 (-0,55%)
     
  • HANG SENG

    23.788,93
    +130,01 (+0,55%)
     
  • NIKKEI

    27.753,37
    -182,25 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    16.016,50
    +146,75 (+0,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3802
    -0,0666 (-1,03%)
     

Ex-CEO do Citigroup prevê todos os bancos aderindo às criptomoedas

·2 min de leitura

A negociação de criptomoedas deve entrar, em breve, na lista de serviços das grandes instituições financeiras. Essa é a opinião de Vikram Pandit, presidente do conselho da Orogen Group e ex-CEO do Citigroup. Para ele, “em um a três anos, todo grande banco ou corretora de valores vai pensar: ‘Eu também não deveria negociar e vender ativos de criptomoedas?’”.

JPMorgan Chase e Bank of America são alguns dos bancos dos EUA que já contratam no setor cripto. O motivo é o aumento da demanda por moedas virtuais. O Goldman Sachs, por sua vez, passou a negociar futuros de criptomoedas. Já o Commonwealth Bank of Australia oferece compra, venda e manutenção de ativos cripto. O próprio Pandit já investe em empresas do setor, como a Coinbase e a Alchemy Insights.

Imagem: Reprodução/Unsplash/Art Rachen
Imagem: Reprodução/Unsplash/Art Rachen

Bancos centrais ao redor do mundo já avaliam as possibilidades das moedas digitais. A China testa um protótipo, a Europa tem desenvolvido sua própria solução, os EUA criam regras para a regulamentação do setor e até o Brasil avalia as possibilidades de um real digital. El Salvador, enquanto isso, se tornou o primeiro país a oficializar o uso do Bitcoin, em setembro.

Pandit explica que circular dinheiro no mundo enquanto se tenta modernizar o sistema bancário, que ainda é baseado em papel, é muito caro. “Minha esperança é que autoridades monetárias entendam os benefícios de uma moeda digital de bancos centrais e passem a adotá-la”, pondera.

Um relatório recente da consultoria Oliver Wyman e do JPMorgan aponta que uma rede de várias moedas digitais de bancos centrais pode ajudar a economizar dezenas de bilhões de dólares e beneficiar todos os participantes. Pandit diz que o futuro é “uma moeda digital de bancos centrais, que está disponível para você e para mim, e todos os outros participantes do varejo no mundo todo”.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos