Mercado fechará em 43 mins
  • BOVESPA

    110.328,77
    -3.254,23 (-2,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.008,14
    -590,39 (-1,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,01
    -0,44 (-0,58%)
     
  • OURO

    1.733,30
    -18,70 (-1,07%)
     
  • BTC-USD

    41.744,27
    -1.400,48 (-3,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.029,40
    -27,74 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.377,35
    -65,76 (-1,48%)
     
  • DOW JONES

    34.482,01
    -387,36 (-1,11%)
     
  • FTSE

    7.028,10
    -35,30 (-0,50%)
     
  • HANG SENG

    24.500,39
    +291,61 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.183,96
    -56,10 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.858,75
    -336,00 (-2,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3328
    +0,0260 (+0,41%)
     

Ex-assessor de Cunha e Geddel é nomeado número 2 de Flávia Arruda

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA — A ministra da Secretaria de Governo, Flávia Arruda, nomeou nesta quinta-feira como seu secretário-executivo Carlos Henrique Menezes Sobral, que já foi ex-assessor de Eduardo Cunha e de Geddel Vieira Lima. A secretaria-executiva é o segundo cargo mais importante da pasta, abaixo apenas do ministro.

A mudança na secretaria-executiva ocorre no momento da chegada de Ciro Nogueira à Casa Civil, em um esforço do Palácio do Planalto de melhorar a articulação política e construir uma base de apoio para as eleições de 2022

Sobral vinha atuando como assessor especial do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Antes, também trabalhou no Ministério da Cidadania durante a gestão do deputado federal Osmar Terra (MDB-RS).

Na segunda-feira, Sobral já participou de uma reunião com Arruda, Nogueira e os ministros Luiz Eduardo Ramos (Secretaria-Geral) e Onyx Lorenzoni (Trabalho e Previdência), além do secretário-executivo da Casa Civil, Jônathas Assunção de Castro.

Ele irá substituir Rafael de Sá Sampaio, que foi deslocado para a assessoria especial da Secretaria de Governo. A avaliação dentro do governo é que Sampaio teve uma atuação fraca na secretaria-executivo, por faltar traquejo político.

Sobral trabalhou com Geddel Vieira Lima quando ele foi ministro da Integração Nacional, durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Depois, auxiliou Eduardo Cunha, primeiro na liderança do MDB e depois na presidência da Câmara.

No governo Michel Temer, Sobral voltou a trabalhar com Geddel, como chefe de gabinete da Secretaria de Governo. Após o ministro ser demitido, Sobral foi mantido no cargo na gestão de Antônio Imbassahy.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos