Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.289,18
    +1.085,18 (+0,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.037,05
    -67,35 (-0,13%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,35
    0,00 (0,00%)
     
  • OURO

    1.819,10
    -10,60 (-0,58%)
     
  • BTC-USD

    36.754,16
    -170,91 (-0,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    835,69
    -20,12 (-2,35%)
     
  • S&P500

    4.349,93
    -6,52 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.168,09
    -129,61 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.469,78
    +98,32 (+1,33%)
     
  • HANG SENG

    24.289,90
    +46,30 (+0,19%)
     
  • NIKKEI

    27.011,33
    -119,97 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    14.260,00
    +101,50 (+0,72%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1054
    -0,0467 (-0,76%)
     

Exército suíço descarta uso de WhatsApp e Telegram por privacidade

·2 min de leitura

O Exército da Suíça proibiu o uso de aplicativos de mensagens como WhatsApp, Signal e Telegram por militares para evitar o vazamento de informações confidenciais ou delicadas. Segundo a agência Associated Press (AP), o alto escalão determinou o uso do aplicativo Threema, de fabricação suíça, conforme uma carta enviada em dezembro.

A justificativa para a proibição seriam questões relacionadas à privacidade dos dados, que supostamente poderiam ser acessados por autoridades dos Estados Unidos. A carta original dizia aos chefes das forças armadas que "nenhum outro serviço de mensagens será autorizado", mas, conforme a AP, um porta-voz teria minimizado o caso e dito se tratar de uma recomendação.

O Threema se vende como um aplicativo mais seguro para troca de mensagens (Imagem: Reprodução/Threema)
O Threema se vende como um aplicativo mais seguro para troca de mensagens (Imagem: Reprodução/Threema)

As autoridades citaram a necessidade de comunicações seguras, já que os soldados suíços precisaram atuar em diversas regiões para apoiar a resposta à pandemia COVID-19 no país alpino. O porta-voz suíço acrescentou que o exército não pode e não vai dizer às tropas quais aplicativos os soldados devem ter instalados em seus dispositivos privados.

Como o WhatsApp pertence à Meta, empresa com sede nos EUA, tudo estaria subordinado ao US Cloud Act, legislação do país que obriga os provedores de serviços daquela jurisdição a cumprirem os mandados de busca e apreensão, independentemente de onde os servidores estejam localizados. A Threema não possui servidores nos Estados Unidos e não seria obrigada a responder a tais intimações.

Privacidade rigorosa na Europa

A GDPR, legislação da Europa de segurança digital e privacidade, é bastante protetiva quanto ao acesso de dados de clientes. Por isso, não é surpreendente que as autoridades suíças prefiram lidar com uma companhia 100% local, afinal os registros armazenados na União Europeia estariam fora do alcance do sistema judiciário dos EUA.

Mesmo assim, vale lembrar que já houve precedentes no caso da justiça norte-americana em que um juiz federal de Nova York decidiu que o cumprimento de leis de privacidade estrangeiras não poderia encobrir investigações locais. O caso analisado tem relação com a busca empreendida pela Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC) contra o aplicativo de mensagens Telegram, que tem servidores descentralizados pelo mundo, por não ter registrado adequadamente a sua venda de tokens de criptomoedas.

Esse caso foi tão complexo que o próprio Telegram retrocedeu e desistiu de comercializar a moeda digital. A ideia, na época, era arrecadar recursos para capitalizar a plataforma sem precisar recorrer à publicidade online, venda de dados e outras práticas feitas por apps de mensagem.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos