Mercado abrirá em 4 h 18 min
  • BOVESPA

    100.763,60
    +2.091,34 (+2,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.294,83
    +553,33 (+1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,02
    +1,45 (+1,32%)
     
  • OURO

    1.829,80
    +5,00 (+0,27%)
     
  • BTC-USD

    20.873,60
    -524,49 (-2,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    455,80
    -6,00 (-1,30%)
     
  • S&P500

    3.900,11
    -11,63 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    31.438,26
    -62,42 (-0,20%)
     
  • FTSE

    7.328,45
    +70,13 (+0,97%)
     
  • HANG SENG

    22.418,97
    +189,45 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    27.049,47
    +178,20 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    12.098,75
    +58,25 (+0,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5345
    -0,0096 (-0,17%)
     

Exército digital pró-Ucrânia atrapalhou monitoramento sobre russos, dizem EUA

O celebrado exército digital ucraniano, que reuniu especialistas e interessados de todo o mundo em atividades digitais contra estruturas e sites da Rússia, não foi tão bem visto assim pelo governo dos Estados Unidos. De acordo com o diretor de cibersegurança da NSA (Agência de Segurança Nacional, na sigla em inglês), Robert Joyce, as atividades dos Ativistas dificultaram o monitoramento de possíveis ofensivas contra a infraestrutura americana.

A fala veio durante uma palestra na RSA Conference, um dos mais prestigiados eventos de segurança digital do mundo. De acordo com Joyce, o grande desafio dos primeiros dias do conflito entre Rússia e Ucrânia foi trabalhar na cooperação entre países e organizações internacionais, para que eventuais ataques contra aliados fossem identificados e mitigados antes de causarem prejuízos. De acordo com Joyce, houve aumento significativo nas ofensivas e, também, nas operações de espionagem.

Enquanto o diretor da NSA enxerga avanços nas alianças e no compartilhamento de informações, na medida em que todos tentavam se preparar para possíveis ataques, o exército digital formado pela Ucrânia representou um desafio adicional. “Por mais que a gente quisesse torcer por eles, o lançamento de ataques causou problemas no monitoramento e dificultou a adoção de normas [para cooperação internacional]”, explicou Joyce.

O principal obstáculo, apontou ele, foi diferenciar o volume de ataques realizados pelos ativistas — a quem chamou de “cibervigilantes” — e eventuais operações vindas da Rússia ou de países aliados a ela. Daí, afirmou, veio um dos motes da vigilância durante o período de conflito, com os envolvidos nos trabalhos trabalhando de acordo com uma filosofia de “ter medo e esperar o pior”.

Felizmente, de acordo com ele, não existiram ofensivas significativas como as esperadas pelo governo dos EUA, principalmente contra infraestruturas e serviços essenciais do país. Por outro lado, Joyce considerou positivo o aumento na cooperação entre países e empresas, além da elevação do nível de alerta, que devem aumentar a resiliência e a vigilância contra ataques iminentes.

O jornalista acompanhou o evento em formato digital, a convite da Tenable.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos