Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    60.814,29
    -252,65 (-0,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Exército decide retirar tropas que fazem segurança da maior apreensão de madeira da história do Brasil

CAMILA MATTOSO
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Exército decidiu retirar tropas mobilizadas na maior apreensão de madeira da história do Brasil. Realizada em conjunto com a Polícia Federal, a operação, revelada pela Folha de S.Paulo, ocorreu em dezembro do ano passado e capturou 130.000 m³ de madeira supostamente extraída de maneira ilegal. Desde então, grupos das Forças Armadas fazem segurança de material apreendido em pelo menos dois pontos (ambos no Pará). Em um ofício enviado à PF no dia 19 de fevereiro, ao qual o Painel teve acesso, o chefe do Estado-Maior do Comando Conjunto Norte (do Exército) informou que os militares vão deixar os locais para retornar às suas sedes. Não há explicação do motivo. A coluna enviou email para a assessoria de imprensa do Ministério da Defesa e do Exército, mas ainda não teve resposta. A operação foi batizada de Handroanthus GLO, que une o nome científico do ipê, a árvore mais cobiçada pelos madeireiros na Amazônia, à sigla da Garantia da Lei e da Ordem, o marco legal que autoriza o emprego das Forças Armadas no combate a crimes ambientais na Amazônia.