Mercado abrirá em 4 h 17 min
  • BOVESPA

    110.249,73
    +1.405,98 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.828,13
    +270,48 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,69
    +1,20 (+1,70%)
     
  • OURO

    1.775,50
    -2,70 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    42.322,50
    -979,10 (-2,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.053,90
    -9,95 (-0,94%)
     
  • S&P500

    4.354,19
    -3,54 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    33.919,84
    -50,63 (-0,15%)
     
  • FTSE

    7.045,41
    +64,43 (+0,92%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.070,75
    +46,75 (+0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1771
    -0,0020 (-0,03%)
     

A evolução do delivery durante a pandemia

·3 minuto de leitura

Não há dúvidas de que a pandemia exigiu das empresas, de todos os tamanhos, um amadurecimento digital em tempo recorde. Passado pouco mais de um ano, ainda me surpreendo vendo o quanto avançamos na venda de produtos online. Segundo um estudo da Mobills, empresa de controle financeiro, os gastos com compras via internet cresceram 187% desde março de 2020. Dentre toda essa transformação digital, três me chamaram atenção:

1. O aumento significativo das compras por delivery

Conversei pouco tempo atrás com o diretor de uma grande rede de fast food. Ele me contou que, antes da pandemia, as vendas por delivery representavam 3% do seu faturamento. Hoje, esse volume aumentou para 30%. Ou seja, o negócio multiplicou por 10 e ganhou importância estratégica.

2. A popularização do serviço de delivery no interior do Brasil 

O impacto da pandemia sobre os hábitos das pessoas foi tão forte, que as compras online, que antes eram concentradas principalmente nos maiores centros urbanos, começaram a se popularizar também no interior. Os aplicativos de entrega de comida, como o Delivery Much, começaram a ganhar força fora das grandes cidades.

3. O amadurecimento do consumidor digital

O brasileiro mergulhou de cabeça nas compras online. Isso foi essencial para o crescimento do delivery. Indiretamente, a pandemia fez com que as pessoas aumentassem a confiança nas compras online e percebessem que comprar em lojas físicas não era a única opção. Os consumidores tiveram de se adaptar. Hábitos tradicionais, como ir ao mercado ou até mesmo realizar consultas médicas, começaram a ser realizados de forma digital. As pessoas viram que tudo poderia ser comprado online.

Um exemplo que ilustra bem essa rápida transformação é o de uma rede carioca de comida japonesa. Quando foi decretado o fechamento dos restaurantes, eles não tinham nenhuma operação online e não trabalhavam com delivery. Em apenas dois dias viraram totalmente o negócio. Começaram como puderam, com uma estrutura muito simples e foram profissionalizando aos poucos. Depois foram criando o próprio aplicativo, melhorando a experiência do usuário na hora da compra e aperfeiçoando o processo de logística. O resultado desta iniciativa foi surpreendente. Hoje, a operação online sozinha já gera de receita mais do que 100% do faturamento de todos os restaurantes juntos antes da pandemia.

Mas a transformação digital não ficou restrita a grandes empresas. Pequenos negócios, lojinhas de bairro, mercadinhos e até lojas de calçados e roupas aderiram às vendas digitais. E o que é mais incrível: fizeram essa mudança em tempo recorde. Foi a única saída para continuar vendendo em tempos de circulação restrita e isolamento social.

Não há dúvidas de que evoluímos muito no consumo digital durante essa pandemia. Os estabelecimentos melhoraram seu sistema de delivery e os clientes desenvolveram conhecimento para fazer compras e consumir serviços online. O próximo desafio das empresas agora é conseguir manter o faturamento com o delivery após a reabertura dos estabelecimentos. Ouso dizer que o melhor caminho para vencer esse desafio é apostar na experiência de compra. Quanto melhor a experiência do cliente, maior a sua satisfação e, consequentemente, maior a chance de ele voltar a fazer a compra com você.

Portanto, agora é o momento de dar atenção aos detalhes, deixar o consumidor escolher o canal de preferência de acordo com o momento e necessidade específica. Não esquecer que a entrega numa operação digital é a última etapa da experiência de compra, ou seja, deve ser tratada como oportunidade de encantar, fidelizar e se diferenciar e não ser encarada somente como custo. Agora, com o consumidor mais educado e digitalizado, que continuem vindo os pedidos!

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos