Mercado abrirá em 3 h 15 min
  • BOVESPA

    109.786,30
    +2.407,38 (+2,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.736,48
    +469,28 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,40
    +0,49 (+1,09%)
     
  • OURO

    1.811,20
    +6,60 (+0,37%)
     
  • BTC-USD

    19.152,06
    +298,08 (+1,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,39
    +9,64 (+2,61%)
     
  • S&P500

    3.635,41
    +57,82 (+1,62%)
     
  • DOW JONES

    30.046,24
    +454,97 (+1,54%)
     
  • FTSE

    6.457,06
    +24,89 (+0,39%)
     
  • HANG SENG

    26.669,75
    +81,55 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    26.296,86
    +131,27 (+0,50%)
     
  • NASDAQ

    12.121,50
    +45,50 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4072
    +0,0103 (+0,16%)
     

Evo Morales pede renúncia de Almagro à OEA ou processo de destituição

·2 minuto de leitura
O ex-presidente boliviano Evo Morales fala durante coletiva de imprensa em Buenos Aires, 22 de outubro de 2020
O ex-presidente boliviano Evo Morales fala durante coletiva de imprensa em Buenos Aires, 22 de outubro de 2020

O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, pediu nesta quinta-feira (22) a renúncia de Luis Almagro da secretaria-geral da OEA, ao defender que o triunfo eleitoral de seu Movimento ao Socialismo (MAS) no domingo demonstrou que não houve fraude nas eleições de 2019.

"Luis Almagro deve renunciar, se tem ética e moral, se tem personalidade. E obviamente tem que ser processado, julgado. Suas mãos estão machadas de sangue de bolivianos e bolivianas", declarou Morales em uma coletiva de imprensa em Buenos Aires, onde está exilado desde dezembro do ano passado.

No caso da renúncia de Almagro, Morales disse que pedirá aos membros da Organização de Estados Americanos "que iniciem os trâmites para sua destituição, porque tem ocasionado um dano irreparável ao povo boliviano, às missões de observação eleitoral e à própria OEA".

"Os resultados das recentes eleições confirmam mais uma vez que (em 2019) não houve fraude e, sim, que houve um golpe de Estado", disse o ex-presidente, exigindo, ainda, "uma auditoria independente sobre aquele relatório fraudulento".

Morales antecipou que denunciará Almagro e o encarregado da missão eleitoral de 2019, o ex-chanceler da Costa Rica, Manuel González, à Corte Penal Internacional (CPI) por terem respaldado o relatório "que derivou em massiças violações dos direitos humanos e crimes contra a humanidade" na Bolívia.

Luis Arce e David Choquehuanca, que integraram a chapa para presidente e vice do Movimento ao Socialismo, venceram no domingo, ainda no primeiro turno, as eleições presidenciais da Bolívia com supervisão da OEA e da União Europeia com 54% dos votos.

Em 2019, as eleições foram anuladas após uma auditoria da OEA que estabeleceu uma "manipulação dolosa" em favor do então presidente Morales (2006-2019), que buscava um polêmico quarto mandato consecutivo.

Morales terminou renunciando em meio aos violentos protestos e por pressão do Exército, e após a sua saída do governo se exilou no México, e depois na Argentina.

"O relatório da OEA, que sustentou a engrenagem do golpe de Estado, não demonstrava que havia existido fraude alguma", declarou na quinta-feira o ex-presidente boliviano.

Morales citou um relatório do Centro Estratégico Latino-americano de Geopolítica (CELAG), divulgado na quarta-feira (21), que comparou as eleições de 2019 e 2020 em 86 zonas eleitorais onde a OEA havia denunciado supostas irregularidades e garantiram que os resultados foram semelhantes.

"O CELAG demonstra o comportamento criminoso de Luis Almagro que contribuiu para sufocar a livre soberania do povo boliviano", disse.

Almagro rejeitou a comparação ao entender que "não há números transferíveis".

ls/nn/lda/gf/mvv