Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,38 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,17 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    -0,18 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.788,10
    -23,10 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    18.154,38
    +386,32 (+2,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,90 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,23 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,40 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.257,50
    +105,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3746
    +0,0347 (+0,55%)
     

O que significa onda durante a pandemia?

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
(Laurent Gillieron/Keystone via AP)
(Laurent Gillieron/Keystone via AP)

Uma pandemia funciona da seguinte maneira: cresce e atinge picos que são caracterizados por um grande número de casos de pessoas infectadas e de óbitos.

Esses picos das pandemias são momentos críticos e o rápido crescimento nos casos de doenças provoca o esgotamento dos leitos hospitalares e os recursos se tornam escassos. Esse cenário é conhecido como primeira onda.

Por que se chama onda?

A descrição desse cenário é chamado de onda por conta da forma como é feito o monitoramento: em ondas de atividade. O número de contaminados e mortos vai se alterando, mostrando para especialistas o comportamento da doença.

Como as ondas surgem?

Logo após esse primeiro cenário do pico os casos de infectados e mortos costumam começar a cair, como se viu mais a partir de agosto no caso do coronavírus de 2020. O desafio das autoridades é, então, conscientizar as pessoas de que a queda em números não significa o fim da pandemia.

Existem três pontos críticos, segundo especialistas, que ajudam a criar uma segunda onda em uma pandemia. Pacientes recuperados que voltam a ficar infectados, casos trazidos de outros países e/ou localidades e negligência com medidas de prevenção.

Virologistas e cientistas da China, Coreia do Sul e outros países em recuperação afirmam que o maior problema nos EUA e na Europa é a falta de pessoas usando máscaras.

Recentemente China e Coreia do Sul voltaram a registrar novos casos de COVID-19 devido ao retorno de cidadãos que estavam no exterior.

Quantas ondas teve a pandemia da gripe espanhola?

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, a gripe espanhola teve três ondas.

Primeira onda

É considerada a mais fraca das ondas da gripe espanhola e foi detectada em março de 1918 no Kansas, Estados Unidos, em um treinamento de tropas que iriam para a Primeira Guerra.

Segunda onda

Ocorreu quando tropas retornaram aos EUA em agosto de 1918, deixando de lado sua sensação de ser “branda” e matando milhões de pessoas, com uma taxa de letalidade de 6% a 8%.

Terceira onda

A terceira onda foi mais moderada e aconteceu no início de 1919, de fevereiro a maio daquele ano.