Mercado fechará em 1 h 27 min

O que é a segunda onda de covid-19?

Redação Notícias
·3 minuto de leitura
(AP Photo/Bernat Armangue, File)
(AP Photo/Bernat Armangue, File)

Desde o começo de novembro de 2020 a pandemia do coronavírus voltou às manchetes por conta de uma falada segunda onda. Mas o que é essa segunda onda da covid-19 tão falada?

Durante uma pandemia como a do coronavírus, gráficos de análises crescem e atingem picos que são caracterizados por um grande número de casos de pessoas infectadas e de óbitos.

Esses picos das pandemias são momentos mais críticos e o rápido crescimento nos casos de doenças provoca o esgotamento dos leitos hospitalares e os recursos se tornam escassos. Esse cenário é conhecido como primeira onda.

A segunda onda acontece quando, por conta da melhora nos números trazidos pela primeira onda, a população relaxa e volta a frequentar locais públicos sem máscara, não segue protocolos de higienização e volta com as movimentações em massa. Por conta desses critérios, o número de contaminados e mortos volta a subir.

A segunda onda da covid-19

A Europa vive desde o começo de novembro uma série de medidas de endurecimento na flexibilização por conta do aumento de contaminados e mortes. O assunto também foi pauta das discussões que elegerem Joe Biden o novo presidente dos EUA. O democrata, inclusive, fez apelo à população após vencer pedindo que usem máscara.

No Brasil, apesar de números oficiais apontarem para um evidente aumento no número de contaminados, mortos e de leitos ocupados em hospitais públicos e particulares, autoridades nas esferas municipal, estadual e federal negam que o país esteja sendo atingido por uma segunda onda.

Segunda onda na Europa

Retorno do confinamento na Áustria, confinamento parcial na Grécia e Holanda, um possível toque de recolher na Itália e testes em larga escala na Inglaterra. Os países europeus intensificam a cada semana as restrições para tentar frear a alarmante segunda onda da pandemia.

A Europa, que alcançou os 11 milhões de casos, é atualmente a região em que o vírus avança mais rápido, o que obriga os governos a buscar a maneira mais apropriada de limitar contatos e frear as infecções.

Segunda onda na Grécia

As vítimas da covid-19 quadruplicaram nas últimas duas semanas na Grécia, um dos países menos afetados na primavera, mas agora enfrentando "um tsunami", reconheceu o primeiro-ministro grego.

O número diário de mortes quadruplicou desde o final de outubro e chegou a 42 mortes, enquanto o número de infecções está perto de 3.000.

Segunda onda na Alemanha

O governo alemão quer restringir novamente os contatos sociais, impor o uso de máscara nas escolas e reduzir o tamanho das salas de aula para frear a segunda onda de covid-19.

"Precisamos de novos esforços para conter os contágios", afirma o governo de Angela Merkel no documento, que classifica a situação como "muito séria".

Segunda onda na Itália

Apesar de a Itália ter realizado milhões de testes rápidos, não tem conseguido conter a segunda onda de covid-19.

O país confinou 16 milhões de habitantes nas quatro regiões mais gravemente afetadas pela epidemia. Toda a península está sob toque de recolher entre 22h00 e 5h00.

Para ajudar as famílias e setores afetados, o governo decidiu durante a noite de sexta a sábado liberar medidas financeiras: bônus 'babá', fundo de apoio às lojas, entre outros.