Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    60.711,12
    -2.645,34 (-4,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Evans diz que Fed precisa gerar uma inflação mais forte

·1 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O banco central dos EUA precisa manter a política monetária de juros baixos para elevar as expectativas de inflação, mesmo depois que o atual surto de pressões inflacionárias por interrupções na cadeia de abastecimento desaparecer, disse o presidente do Fed de Chicago Charles Evans.

Most Read from Bloomberg

“Não acho que o aumento transitório da inflação induzido pelo lado da oferta que estamos vendo hoje será suficiente para resolver o problema”, disse Evans na segunda-feira, em comentários preparados para um discurso na conferência anual da National Association for Business Economics em Arlington, Virgínia.

Ele estima ser necessário um período de inflação sustentada acima de 2%, induzida pela política monetária, para impulsionar as expectativas inflacionárias de longo prazo o suficiente para o cumprimento das metas do Fed.

Evans falou após a reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto da semana passada, que terminou na quarta-feira com um sinal dos membros do Fed de que eles provavelmente começariam em breve a reduzir o programa massivo de compra de títulos que implementaram no ano passado em resposta à pandemia.

O presidente do Fed de Chicago, eleitor das decisões do FOMC neste ano, ecoou essa orientação em seus comentários.

Ao mesmo tempo, Evans descreveu a perspectiva para a taxa de juros de referência do Fed - que o banco central mantém perto de zero desde março de 2020 - como “muito menos clara”.

As projeções trimestrais publicadas após a reunião do FOMC na semana passada mostraram que o comitê estava dividido em ver a necessidade de começar a aumentar as taxas já no próximo ano, em meio a expectativas de que a inflação cairia para um pouco acima da meta de 2% do Fed, dos níveis atuais acima 4%.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos