Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.399,91
    +2.506,91 (+2,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.895,63
    +1.116,73 (+2,67%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,18
    -0,37 (-0,83%)
     
  • OURO

    1.816,20
    -2,70 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    18.802,11
    +58,07 (+0,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    369,69
    -10,17 (-2,68%)
     
  • S&P500

    3.662,45
    +40,82 (+1,13%)
     
  • DOW JONES

    29.823,92
    +185,32 (+0,63%)
     
  • FTSE

    6.384,73
    +118,54 (+1,89%)
     
  • HANG SENG

    26.567,68
    +226,18 (+0,86%)
     
  • NIKKEI

    26.777,50
    -10,04 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    12.442,25
    -10,00 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3066
    -0,0004 (-0,01%)
     

Europa sonha com uma relação comercial mais serena com Biden

Eve SZEFTEL
·3 minuto de leitura
O presidente eleito dos EUA, Joe Biden, faz comentários no The Queen em Wilmington, Delaware, em 9 de novembro de 2020
O presidente eleito dos EUA, Joe Biden, faz comentários no The Queen em Wilmington, Delaware, em 9 de novembro de 2020

Após a vitória de Joe Biden, os exportadores europeus sonham com um rápido levantamento das tarifas dos Estados Unidos, mas especialistas alertam que, embora a relação comercial possa ser mais serena, não se deve esperar por uma lua de mel. 

"Esperamos que os Estados Unidos mudem o rumo do ponto de vista comercial, renunciando à política autárquica que caracterizou a presidência de Trump", disse Nicola Bertinelli, presidente do consórcio italiano de produtores de queijo parmesão, que exporta mais de 10 milhões de toneladas para os Estados Unidos a cada ano. 

O principal sindicato agrícola italiano, Coldiretti, exige o levantamento das sanções comerciais impostas pelo governo Trump, que afetam, por um montante de 500 milhões de euros, o Grana Padano, Gorgonzola, salame, mortadela, frutos do mar , citrus, limoncello, etc ... 

"Espero que o primeiro tema (da discussão entre o futuro governo dos Estados Unidos e a Europa) seja a reversão dos 25% de tarifas alfandegárias sobre os vinhos franceses", disse Jérôme Despey, secretário-geral da união agrícola francesa. FNSEA. 

"Esperamos que o novo governo dos Estados Unidos (...) se retrate sobre o aumento das taxas alfandegárias" sobre o azeite espanhol, disse também à AFP um porta-voz da cooperativa Dcoop, peso-pesado do setor.

- Biden recebido por impostos - 

Em contraste com esses apelos por um apaziguamento das relações, a Europa saudou a vitória do democrata na segunda-feira com um anúncio sobre sanções alfandegárias contra os Estados Unidos em uma disputa de 16 anos entre a Airbus e a Boeing sobre ajuda estatal. 

A União Europeia não fez nada mais do que implementar uma decisão da Organização Mundial do Comércio e o próprio conflito começou muito antes de Donald Trump chegar ao poder. 

Mas o anúncio de uma retaliação europeia foi uma surpresa para muitos, depois que a vitória de Biden foi saudada como o início de uma nova era após quatro anos de retórica protecionista incendiária e aumento de tarifas. Embora nem todos falem em uma só voz, os líderes empresariais europeus permanecem cautelosos. 

"Não devemos ter ilusões. Os Estados Unidos não são um parceiro amigo dos Estados europeus há muitos anos", disse o ministro da Economia francês, Bruno Le Maire, alguns dias antes das eleições.

- Proteger as empresas americanas -

“Sempre houve protecionismo nos Estados Unidos: o aço, por exemplo, sempre foi objeto de tensão com a Europa, assim como a madeira sempre foi objeto de tensão com o Canadá”, lembra Rubén Nizard, economista para a América do Norte do Coface. 

“É verdade que Donald Trump, com seus impostos sobre mercadorias chinesas, canadenses, mexicanas e europeias, tem uma política muito agressiva, mas a ideia de proteger as empresas americanas também está presente no programa Biden”. 

O emprego no setor manufatureiro, "em constante declínio há 40 anos nos Estados Unidos", continua no centro das preocupações dos americanos, segundo o economista. 

Donald Trump atribuiu essa queda à China, o que justificou o aumento das tarifas alfandegárias sobre os produtos que entram nos Estados Unidos, em mais de 20% em média.

Para Ruben Nizard, “não vamos voltar, nos próximos dois anos, ao nível que do início de 2018”, ou seja, entre 7 e 8%. 

"Joe Biden dará continuidade à política de 'América em primeiro lugar' de Donald Trump, mas de uma forma mais inteligente e menos radical", concorda Marcel Fratzscher, presidente do DIW Institute em Berlim. 

Joe "Biden não é um defensor do livre comércio", mas está "convencido da necessidade de trabalhar em conjunto no âmbito das instituições internacionais". Esse será um diferencial importante ", afirma Gabriel Felbermayr, presidente do Instituto IFW. 

Para Carsten Brzeski, economista do ING, com a chegada de Biden, a ameaça mais explosiva de Donald Trump, ou seja, taxar carros europeus e principalmente alemães, "deve desaparecer". No entanto, "é difícil imaginar o novo presidente aplaudindo de repente o enorme superávit comercial da Alemanha com os Estados Unidos".

bur-evs/aue/meb/mb/jc