Mercado fechará em 6 h 2 min
  • BOVESPA

    129.571,20
    +803,75 (+0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.136,82
    +6,94 (+0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,21
    +1,36 (+1,87%)
     
  • OURO

    1.792,50
    +15,10 (+0,85%)
     
  • BTC-USD

    34.114,18
    +5.066,38 (+17,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    820,68
    +10,48 (+1,29%)
     
  • S&P500

    4.252,26
    +5,82 (+0,14%)
     
  • DOW JONES

    33.938,43
    -7,15 (-0,02%)
     
  • FTSE

    7.119,10
    +29,09 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    28.817,07
    +507,31 (+1,79%)
     
  • NIKKEI

    28.874,89
    -9,24 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    14.292,25
    +34,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9183
    -0,0015 (-0,03%)
     

Europa passou do ponto de inflexão, mas ainda precisa do apoio do BCE, diz Schnabel

·1 minuto de leitura
Isabel Schnabel, membro do conselho do Banco Central Europeu

Por Balazs Koranyi e Francesco Canepa e Frank Siebelt

FRANKFURT (Reuters) - A economia da zona do euro atingiu um ponto de inflexão e o recente aumento nos custos dos empréstimos reflete a melhora dos fundamentos, disse à Reuters Isabel Schnabel membro do conselho do Banco Central Europeu (BCE), minimizando as preocupações de que o aumento dos rendimentos possa prejudicar o crescimento.

Schnabel, responsável pelas operações de mercado do BCE, considerou benigna a alta dos rendimentos nominais, argumentando que era esperada e que as condições de financiamento se mantêm favoráveis, em linha com o compromisso assumido pelo banco em dezembro.

"O aumento dos rendimentos é uma evolução natural num momento de inflexão da recuperação - os investidores ficam mais otimistas, as expectativas de inflação sobem e, como resultado, os rendimentos nominais sobem", disse Schnabel à Reuters. "Isso é exatamente o que esperaríamos e o que queremos ver."

"As condições de financiamento permanecem favoráveis", argumentou ela, observando que as taxas reais ou ajustadas pela inflação estão, em geral, estáveis.

Emergindo de uma recessão de duplo mergulho, a economia da zona do euro deve crescer mais de 4% este ano, à medida que o gigantesco setor de serviços se recupera das restrições para conter a Covid-19, embora leve mais um ano para voltar ao nível anterior à crise.

Com a inflação devendo permanecer abaixo da meta do BCE de quase 2% mesmo após o fim das medidas emergenciais, mais estímulos serão necessários por meio de outras ferramentas, como o antigo e mais rígido Programa de Compra de Ativos do BCE, taxas de juros ou operações de liquidez.

"É provável que quando o PEPP terminar, não teremos atingido nossa (meta)", disse Schnabel. "Nesse caso, continuaremos a conduzir uma política monetária altamente expansionista também após o PEPP."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos