Mercado fechará em 3 h 50 min
  • BOVESPA

    128.463,62
    -801,34 (-0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.155,38
    -160,31 (-0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,14
    -0,52 (-0,71%)
     
  • OURO

    1.776,60
    -6,30 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    32.381,52
    -571,50 (-1,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    774,98
    -19,35 (-2,44%)
     
  • S&P500

    4.239,33
    +14,54 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    33.912,99
    +36,02 (+0,11%)
     
  • FTSE

    7.090,01
    +27,72 (+0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.309,76
    -179,24 (-0,63%)
     
  • NIKKEI

    28.884,13
    +873,20 (+3,12%)
     
  • NASDAQ

    14.204,50
    +74,50 (+0,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9579
    -0,0174 (-0,29%)
     

Europa passa a analisar CoronaVac; o que isso significa para o Brasil?

·1 minuto de leitura

Na última terça-feira (4), a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) anunciou o início da análise da CoronaVac, vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, que tem sido produzida no Brasil em parceria com o Instituto Butantan.

Essa análise gira em torno de resultados preliminares de testes com animais e humanos que indicam que o produto gera resposta imunológica contra o vírus. Além disso, a análise acontece na medida em que os dados se tornarem disponíveis para ajudar a acelerar possíveis aprovações. É a primeira vacina chinesa que a agência estuda em tempo real, e a quarta vacina contra COVID-19 sob análise. As outras são a CureVac, a Novavax e a russa Sputnik V.

O estudo com a CoronaVac no Brasil apontou 50,7% de eficácia contra COVID-19 sintomática e alta proteção contra internações. E por falar no país, se a União Europeia aprovar a vacina, isso tem potencial para facilitar a entrada de brasileiros em países do bloco.

(Imagem: Rawpixel)
(Imagem: Rawpixel)

A Comissão Europeia chegou a anunciar o plano de permitir a entrada de pessoas que tenham tomado a dose final de uma vacina autorizada pela UE pelo menos 14 dias antes da viagem, mas pode ser que no futuro isso contemple vacinas aprovadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Por enquanto, o órgão não recebeu pedido formal de autorização para comercializar a vacina chinesa no bloco europeu. Ainda não há prazo para a conclusão da avaliação.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos