Mercado fechará em 1 h 20 min
  • BOVESPA

    116.758,19
    +294,12 (+0,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.240,59
    -812,97 (-1,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,06
    +0,45 (+0,86%)
     
  • OURO

    1.843,00
    -7,90 (-0,43%)
     
  • BTC-USD

    30.445,20
    -1.365,89 (-4,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    613,14
    -26,77 (-4,18%)
     
  • S&P500

    3.790,56
    -59,06 (-1,53%)
     
  • DOW JONES

    30.586,61
    -350,43 (-1,13%)
     
  • FTSE

    6.567,37
    -86,64 (-1,30%)
     
  • HANG SENG

    29.297,53
    -93,73 (-0,32%)
     
  • NIKKEI

    28.635,21
    +89,03 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    13.299,75
    -185,75 (-1,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5332
    +0,0224 (+0,34%)
     

Europa estende ajudas para evitar calamidade econômica

Jeannette Neumann e David Goodman (London)
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Governos europeus já perceberam que terão que conviver com programas de ajuda para salvar empregos e empresas por mais tempo do que se pensava e impedir que a economia entre em colapso.

Em todo o continente, programas de licença remunerada que protegeram cerca de 50 milhões de empregos no auge das quarentenas, bem como adiamento de impostos e moratórias de empréstimos, estão sendo estendidos, mesmo com o fim das restrições de mobilidade. O fato é que a sustentabilidade da retomada econômica é incerta. Muitas empresas ainda estão fechadas ou atendendo menos clientes do que antes.

A perspectiva obrigou autoridades a deixarem de lado preocupações com o aumento da dívida para prolongar as medidas para a crise, algumas das quais inicialmente deveriam expirar nesta semana. A alternativa arriscaria um forte aumento do desemprego, poderia assustar consumidores já cautelosos e prejudicar a recuperação.

“Os governos precisam estabelecer um bom equilíbrio entre cortar o apoio e observar o impacto na economia, ou continuar o apoio, talvez com mais generosidade do que o inicialmente previsto, e ver as finanças incharem”, disse Peter Dixon, economista do Commerzbank. “Portanto, é um equilíbrio muito complicado de encontrar. Talvez os governos tenham subestimado a demanda por suporte.”

Outro motivo para manter a cautela é que alguns países enfrentam um ressurgimento do vírus. Os casos aumentaram nos EUA, enquanto a cidade inglesa de Leicester e alguns distritos nos arredores de Lisboa restabeleceram as quarentenas para conter novos focos da pandemia.

Relatório divulgado na sexta-feira mostrou que empresas da zona do euro cortaram empregos pelo quarto mês consecutivo em junho em meio à fraca demanda. Embora o ritmo tenha diminuído, a pesquisa com gerentes de compras mostrou que o indicador permaneceu “historicamente alto”.

Com tantos empregos em risco, programas de licença remunerada subsidiados pelo governo foram fundamentais para a resposta à crise. Reino Unido, Itália, Espanha, Áustria, Suíça e Irlanda expandiram esses programas em seus países até o fim de agosto. A França introduziu uma nova versão de um esquema de licença parcial que pode ser usado por até dois anos pelas empresas.

A Alemanha flexibilizou as condições de seu antigo programa Kurzarbeit para facilitar a proteção dos salários dos trabalhadores durante a pandemia e estenderá esse alívio, se necessário.

Para os governos, a alta incerteza significa que provavelmente terão que ajustar seus esquemas de improviso - exatamente como fizeram quando foram lançados alguns meses atrás.

“Com o passar do tempo, teremos mais evidências e será o momento em que poderemos adaptar os instrumentos de política econômica", disse o economista-chefe do Banco da Espanha, Oscar Arce. “Temos que esperar um pouco mais”, acrescentou, “para ver como será a perspectiva”.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.