Mercado abrirá em 5 h 21 min
  • BOVESPA

    107.378,92
    +1.336,45 (+1,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.267,20
    +362,14 (+0,86%)
     
  • PETROLEO CRU

    43,60
    +0,54 (+1,25%)
     
  • OURO

    1.825,60
    -12,20 (-0,66%)
     
  • BTC-USD

    18.273,14
    -59,37 (-0,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    365,24
    +3,82 (+1,06%)
     
  • S&P500

    3.577,59
    +20,05 (+0,56%)
     
  • DOW JONES

    29.591,27
    +327,79 (+1,12%)
     
  • FTSE

    6.333,84
    -17,61 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    26.502,25
    +16,05 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    11.961,50
    +56,25 (+0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4496
    +0,0093 (+0,14%)
     

Europa enfrenta falta de profissionais médicos em segunda onda

Chris Reiter, Lenka Ponikelska e John Ainger
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Europa se prepara para o impacto do aumento de casos de coronavírus nos hospitais, e autoridades estão muito preocupadas com um recurso essencial: equipes médicas experientes.

Durante a primeira onda da pandemia, houve corrida por leitos extras e governos pressionaram fabricantes para produzir respiradores e máscaras. Agora há material disponível, mas a falta de médicos, enfermeiras e técnicos coloca os serviços de saúde à prova, já que o número recorde de casos atinge a região simultaneamente.

A Europa voltou a se tornar epicentro global do coronavírus, que infectou mais de 5 milhões de pessoas e causou mais de 200 mil mortes no continente. Alemanha e República Tcheca registraram números recordes de novos casos na quinta-feira, um dia após a Itália também divulgar o maior total diário desde o início da pandemia e a Espanha se tornar o primeiro país da Europa Ocidental a superar 1 milhão de infecções.

Com menos casos graves atualmente, os hospitais têm conseguido administrar a situação, mas sinais de pressão se multiplicam.

Na República Tcheca - o país europeu mais atingido -, o primeiro-ministro Andrej Babis decretou uma paralisação parcial na quarta-feira e avisou que o sistema hospitalar pode entrar em colapso no início do próximo mês.

O governo já alistou estudantes de medicina e pediu aos médicos que trabalham no exterior que voltem para casa. Hospitais convocam voluntários e oferecem empregos de meio período para equipes médicas, de limpeza e manutenção.

As forças armadas estão montando um hospital de campanha em Praga, enquanto o embaixador dos EUA anunciou na quarta-feira que o país enviaria equipe médica militar para ajudar.

Embora o Leste Europeu esteja particularmente exposto por causa do subfinanciamento crônico para o setor de saúde - a Polônia está montando hospitais temporários em estádios e centros de conferências -, a situação é semelhante na Bélgica.

No segundo pior surto da Europa, autoridades buscam recrutar funcionários de restaurantes desempregados, aposentados e refugiados para preencher a lacuna. Com tantos belgas atualmente em quarentena, há menos pessoas disponíveis para tratar os doentes do que durante a primeira onda na primavera europeia.

“Temos menos trabalhadores no campo agora, e isso é um problema real”, disse Jan-Piet Bauwens, vice-presidente do sindicato Setca.

As instalações médicas belgas reservam atualmente 50% dos leitos de UTI disponíveis para pacientes com Covid-19. Algumas clínicas em Bruxelas e na província de Liège transferiram pacientes para outros hospitais pois atingiram o limite.

No entanto, a situação não é tão grave em todos os países. O Reino Unido possui os chamados hospitais Nightingale, projetados para lidar com um aumento repentino de pacientes com coronavírus. Alguns deles não foram usados durante a primeira onda e os que estavam em operação trataram apenas um pequeno número de pessoas.

As chances de um paciente hospitalizado com caso grave de Covid-19 sobreviver por pelo menos 28 dias aumentou para 72% para pessoas internadas desde setembro, em comparação com 61% anteriormente, de acordo com relatório do Intensive Care National Audit & Research Centre. As taxas de sobrevivência melhoraram em todos os grupos de idade, sexo e raça, segundo os dados.

Mas, mesmo na Alemanha, que registrou número de casos mais baixo do que a maioria de seus vizinhos, a situação preocupa. Com mais de 70% dos leitos de terapia intensiva ocupados, um aumento dos casos graves de Covid-19 poderia rapidamente deixar de lado outros pacientes.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.