Mercado abrirá em 9 h 16 min
  • BOVESPA

    106.419,53
    -2.295,02 (-2,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.206,59
    +372,79 (+0,72%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,94
    -0,71 (-0,84%)
     
  • OURO

    1.790,00
    -3,40 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    60.523,83
    -2.328,32 (-3,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.469,11
    -36,04 (-2,39%)
     
  • S&P500

    4.574,79
    +8,31 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    35.756,88
    +15,73 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.277,62
    +54,80 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    25.640,62
    -397,65 (-1,53%)
     
  • NIKKEI

    28.946,72
    -159,29 (-0,55%)
     
  • NASDAQ

    15.531,00
    -14,00 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4563
    +0,0022 (+0,03%)
     

Europa e EUA desejam maior cooperação em comércio e tecnologia

·4 minuto de leitura

Autoridades americanas e europeias reunidas em Pittsburgh nesta quarta-feira (29) mostraram disposição para cooperar em comércio e tecnologia, apesar das persistentes tensões bilaterais, problemas com o aço e distorções comerciais da China.

Em um sinal de que os americanos querem voltar a tecer o vínculo da confiança, o próprio secretário de Estado, Antony Blinken, participou da reunião do Conselho de Comércio e Tecnologia (TTC) UE-EUA, juntamente com Gina Raimondo, secretária de Comércio, e Katherine Tai, representante de Comércio.

Do lado europeu, Valdis Dombrovskis e Marharethe Vestager, ambos vice-presidentes da Comissão Europeia, viajaram para a reunião.

"É um espírito de notável cooperação e colaboração e uma vontade entre os Estados Unidos e a União Europeia de trabalhar muito, muito estreitamente", afirmou Blinken após a reunião.

"Ao trabalharmos juntos, temos uma capacidade única de ajudar a dar forma aos padrões, regulações e regras que governam como a tecnologia afeta as vidas de praticamente todos os nossos cidadãos", acrescentou.

Por enquanto, UE e Estados Unidos tomaram nota da importância de sua relação bilateral para o crescimento econômico.

Depois da batalha comercial com o governo Trump, chegou o momento da "cooperação", uma palavra que aparece repetidamente no texto. Também destaca-se a importância dos direitos dos trabalhadores, as redes de abastecimento sustentáveis e a luta contra as mudanças climáticas. Uma forma de se diferenciar da China.

- Aço e alumínio -

A escolha desta cidade da Pensilvânia, ex-capital siderúrgica que se tornou um centro de tecnologia, para abrigar a primeira reunião do Conselho de Comércio e Tecnologia (TTC, em inglês) é simbólica.

Europeus e americanos dialogam para dirimir as diferenças sobre o aço e o alumínio que contaminam suas relações comerciais há mais de três anos.

Washington e Bruxelas evidenciaram que a resolução do conflito provocado pela imposição, em junho de 2018, de taxas de 25% sobre o aço europeu e de 10% sobre o alumínio europeu em nome da segurança nacional dos Estados Unidos, não faz parte das discussões em Pittsburgh.

Mas o tema está na mente de todos porque devem alcançar um acordo no começo de novembro para evitar que os europeus voltem a aumentar as tarifas alfandegárias.

- Inteligência artificial -

Sua resolução, à margem desta reunião, seria um sinal de que a relação transatlântica volta a bons termos, após várias quebras de confiança causadas pelos Estados Unidos, que começaram com Donald Trump e continuam com seu sucessor Joe Biden.

O presidente democrata irritou os europeus ao retirar as tropas americanas de Cabul sem aviso no final de agosto.

Posteriormente, o anúncio de um pacto de segurança entre Estados Unidos, Austrália e Reino Unido sem consulta aos europeus aumentou as dúvidas sobre seu real interesse em cooperar.

Quanto à escassez global de semicondutores, que está atingindo empresas em ambos os lados do Atlântico, nenhum anúncio concreto é esperado, exceto um impulso político para trabalharmos juntos.

Washington e Bruxelas querem aumentar sua capacidade de produção para reduzir sua dependência de eventos na Ásia.

Os fabricantes de semicondutores, que fecharam fechar fábricas durante a pandemia de covid, têm dificuldades para responder à demanda global.

Valdis Dombrovskis, vice-presidente da Comissão Europeia, disse antes da reunião que haverá uma declaração sobre o assunto.

"Vinte anos atrás, fabricávamos cerca de 50% de todos os chips. Hoje, nossa participação na produção mundial é de apenas 12% e fabricamos 0% dos chips tecnologicamente avançados", queixou-se na terça-feira a Secretária de Comércio dos Estados Unidos, Gina Raimondo.

- "Valores democráticos -

Na versão final do texto, a UE e os Estados Unidos destacam a inteligência artificial (IA) para melhorar a vida cotidiana. No entanto, “eles expressam sua vontade e intenção de produzir sistemas de IA inovadores, confiáveis e que respeitem os direitos humanos universais e os valores democráticos”.

Além da questão dos semicondutores, práticas comerciais como subsídios ou transferência forçada de tecnologia estão em discussão no contexto da política comercial a ser aplicada com a China.

Sem falar do poder asiático, os dois partidos dizem que querem "trabalhar juntos para lutar contra as políticas e práticas que fazem parte das trocas comerciais".

Por enquanto, Biden está seguindo a linha de Trump, defendendo a firmeza contra Pequim e mantendo as tarifas.

Dt/jum/rle/mlb/dl/rsr/mr/ap/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos