Mercado abrirá em 5 h 35 min
  • BOVESPA

    122.515,74
    +714,95 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.869,48
    +1,16 (+0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,10
    -0,16 (-0,22%)
     
  • OURO

    1.812,30
    -9,90 (-0,54%)
     
  • BTC-USD

    38.509,62
    -1.719,72 (-4,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    934,71
    -26,18 (-2,72%)
     
  • S&P500

    4.387,16
    -8,10 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.838,16
    -97,31 (-0,28%)
     
  • FTSE

    7.086,38
    +4,66 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.148,18
    -87,62 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.641,83
    -139,19 (-0,50%)
     
  • NASDAQ

    14.985,50
    +32,75 (+0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1192
    -0,0249 (-0,41%)
     

Europa começa a derrubar divisão de gênero no transporte

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Para chegar às lojas e restaurantes do outro lado do rio Main em Offenbach, os pedestres do lado leste de Frankfurt precisam se esquivar de bicicletas e se apertar em um caminho que é um pouco mais largo do que um carrinho de bebê.

Em períodos de maior movimento, o problema muitas vezes força mães e filhos a pisarem momentaneamente na rua. Os motoristas de automóveis, por outro lado, têm duas faixas generosas, um sinal de prioridade desproporcional no planejamento urbano que favorece o uso de opções de mobilidade preferidos tradicionalmente pelos homens. É um conceito que está sendo repensado.

“Precisamos encontrar uma abordagem inclusiva e universal”, disse Janina Albrecht, designer de mobilidade que ajudou a introduzir ciclovias que conectam blocos residenciais em Offenbach com escolas e áreas comerciais. “Precisamos de lugares inclusivos, sensíveis ao gênero e sem barreiras.”

À medida que cidades da Europa buscam tornar os transportes mais ecológicos, também abordam questões de gênero. Na Alemanha com uso intensivo de automóveis, homens viajam quase o dobro da distância de carro em comparação com as mulheres, que têm maior probabilidade de caminhar e usar o transporte público. O planejamento urbano agora está sob pressão para tornar estradas menos focadas em torno dos homens que se deslocam para o trabalho.

Paris, Barcelona e Viena estão implementando políticas para desencorajar o tráfego de automóveis e favorecer pedestres e ciclistas. A capital francesa busca garantir que residentes tenham todos os serviços necessários em 15 minutos a pé, de bicicleta ou de transporte público. Barcelona está restringindo o tráfego nas principais estradas, enquanto a Áustria este ano está implementando acesso nacional ao transporte público por uma taxa anual fixa de 3 euros (US$ 3,60) por dia.

A questão é mais complexa do que carros versus bicicletas. Em algumas cidades, as mulheres pedalam menos, provavelmente porque as pistas não são largas ou seguras o suficiente, especialmente com carrinhos de crianças acoplados -- ressaltando a importância do design no transporte. Mas não há como negar que sistemas centrados em carros enfrentam pressão.

Numerosas iniciativas estão exigindo restrições a veículos pessoais. Uma dos mais radicais está em Berlim, onde ativistas pressionam por um plebiscito que proibiria automóveis particulares no centro da cidade em favor do transporte público, a pé e de bicicleta.

Ressaltando as diferentes demandas de gênero no transporte, as atividades diárias de mulheres envolvem vários locais ligados a creches, tarefas domésticas e empregos, criando demandas de transporte mais complexas do que um trajeto trabalho-casa tradicional.

Quando a diversidade é incorporada ao processo de planejamento, mudanças são perceptíveis. Em Oslo, as estações de compartilhamento de bicicletas foram inicialmente colocadas apenas em áreas centrais, com escritórios dominados por homens. A aceitação entre as mulheres foi limitada até que também foram adicionadas em áreas periféricas, perto de zonas residenciais.

Repensar o transporte vai além do gênero. Vieses de planejamento semelhantes desafiam migrantes, deficientes e pessoas que não podem comprar carros.

Título em inglês:The Gender Divide in Transport Is Starting to Crumble in Europe

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos