• BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,23 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,34 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +0,19 (+0,29%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    50.223,79
    +1.803,62 (+3,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,20 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    -11,25 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7811
    -0,0048 (-0,07%)
     

Europa cada vez mais fatigada por restrições anticovid; Justiça holandesa mantém toque de recolher

por las oficinas de AFP en el mundo
·4 minuto de leitura
Fila para vacinação em Londres

A Justiça holandesa decidiu manter o toque de recolher decretado para enfrentar a covid-19 - após uma corte inferior ter ordenado a suspensão da medida - em um momento em que as restrições saturam a população em muitos países e a vacinação avança lentamente.

"Isto significa que o toque de recolher das 21h00 (20h00 GMT) continua em vigor", informou a emissora holandesa NOS e outros meios de comunicação, a partir da decisão de um tribunal de apelações.

Mais cedo, um tribunal de Haia havia ordenado que o toque de recolher, em vigor desde 23 de janeiro e que provocou os piores protestos das últimas décadas, fosse "levantado imediatamente".

"O toque de recolher é uma violação profunda do direito à liberdade de movimento e à vida privada", disse o tribunal.

Após a imposição do toque de recolher, o primeiro a ser aplicado na Holanda desde a Segunda Guerra Mundial, várias cidades foram palco de protestos gigantescos que culminaram em dezenas de prisões.

Em outros países da Europa, a frustração, a raiva e o cansaço também são sentidos. Na semana passada, o parlamento tcheco se recusou a prolongar o estado de exceção, como solicitado pelo governo, e em Viena tambem houve protestos contra as medidas.

"Perdi meu trabalho, sou enfermeira e não quero mais usar esta máscara de merda!", exclamou Sigrid, em uma manifestação que pedia a renúncia do chanceler, o conservador Sebastian Kurz.

Seria a mão dura a solução para cortar a pandemia pela raiz? Em países da Ásia e Oceania, começando pela China, as autoridades tomam medidas estritas nas áreas onde detectam surtos e as combinam com diagnósticos em massa.

Em pouco mais de um ano, a pandemia de coronavírus matou 2,4 milhões de pessoas em todo o mundo e infectou quase 110 milhões. Neste momento há restrições em vigor em praticamente toda Europa, enquanto a vacinação avança muito mais lentamente que o previsto.

A farmacêutica americana Johnson&Johnson (J&J) solicitou autorização para sua vacina na União Europeia, informou nesta terça-feira a Agência Europeia de Saúde (EMA), que pode tomar uma decisão até meados de março.

A Comissão Europeia "está pronta" para autorizá-la assim que a EMA a aprovar cientificamente, informou sua presidente, Ursula von der Leyen.

- Desigualdade -

Mais de 180 milhões de doses de vacinas contra a covid foram aplicadas em ao menos 96 países ou territórios, de acordo com uma contagem realizada pela AFP a partir de fontes oficiais nesta terça-feira às 16h00 GMT.

Em escala mundial, os países com "alta" renda e "média alta" (segundo o Banco Mundial) concentram mais de nove de cada dez doses da injeção (93%), enquanto abrigam apenas a metade (53%) da população mundial.

Na América Latina, onde a pandemia matou mais de 642.000 pessoas e infectou 20 milhões, a vacinação avança de forma desigual e em alguns casos com irregularidades, como no Peru, onde membros do governo se vacinaram antes do início oficial da campanha.

Brasil, o segundo país do mundo com mais mortes por coronavírus - depois dos EUA - com quase 240.000 óbitos, vacinou apenas 2% de seus 212 milhões de habitantes, devido à ausência de diretrizes claras do governo federal e à falta de doses.

Dotado de uma capacidade de vacinação em massa já usada no passado e de fama mundial, o Brasil não consegue ativá-la devido à falta de vacinas. O governo planeja contar com mais de 210 milhões de vacinas da AstraZeneca até o final do ano e 100 milhões da chinesa CoronaVac até agosto.

O México, terceiro país mais enlutado do mundo, denunciará a desigualdade no acesso às vacinas ao Conselho de Segurança das Nações Unidas na quarta-feira.

"Vamos apresentar o posicionamento do México e da América Latina (...) em relação ao que está acontecendo no mundo, a desigualdade que existe no acesso às vacinas", afirmou o ministro das Relações Exteriores, Marcelo Ebrard.

Nesse país, que possui mais de 174 mil mortos, a vacina chegará a partir desta semana para os idosos acima dos 60 anos, que juntos são 15 milhões, os quais o governo pretende ter vacinado até meados de abril.

A África do Sul anunciou nesta terça-feira que ofereceu à União Africana (UA) um milhão de vacinas que possui da AstraZeneca, após adiar sua campanha de imunização com esse medicamento porque sua eficácia contra a variante local do vírus ser duvidosa.

Na segunda-feira, a Organização Mundial da Saúde (OMS) concedeu sua aprovação emergencial à vacina anticovid da Astrazeneca, o que favorecerá a distribuição de centenas de milhões de doses aos países desfavorecidos.

E quanto à vacina da Pfizer, os serviços de inteligência sul-coreanos, citados pela imprensa, garantiram nesta terça-feira que hackers norte-coreanos tentaram entrar nos sistemas da gigante farmacêutica em busca de informações sobre sua vacina e o tratamento contra o novo coronavírus.

burs-bl/mb/aa/bn