Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.134,46
    +6.097,67 (+5,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.429,75
    +802,95 (+1,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,31
    +3,82 (+4,81%)
     
  • OURO

    1.708,00
    +36,00 (+2,15%)
     
  • BTC-USD

    19.545,74
    +302,41 (+1,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    444,03
    +8,67 (+1,99%)
     
  • S&P500

    3.678,43
    +92,81 (+2,59%)
     
  • DOW JONES

    29.490,89
    +765,38 (+2,66%)
     
  • FTSE

    6.908,76
    +14,95 (+0,22%)
     
  • HANG SENG

    17.079,51
    -143,32 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    26.215,79
    +278,58 (+1,07%)
     
  • NASDAQ

    11.312,50
    +277,00 (+2,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0699
    -0,2380 (-4,48%)
     

Europa busca na SpaceX alternativas aos foguetes russos

Elon Musk durante um dos lançamentos da SpaceX (REUTERS/Joe Skipper)
Elon Musk durante um dos lançamentos da SpaceX (REUTERS/Joe Skipper)
  • SpaceX tem ganhado cada vez mais destaque em programas espaciais da NASA;

  • Agência Espacial Europeia perdeu um grande fornecedor de foguetes com as sanções europeias;

  • Japão e Índia são outros dois possíveis candidatos à parceria.

Com as sanções das nações europeias à Rússia devido à invasão da Ucrânia, a Agência Espacial Europeia (ESA) se viu sem um de seus maiores fornecedores de foguetes. Por estes e outros fatores, a ESA abriu discussões preliminares na discussão de uma nova parceira espacial.

Um dos principais nomes a integrar as conversas é a americana SpaceX, empresa de lançamentos espaciais de Elon Musk. A Índia e o Japão também estão presentes na discussão, que ainda não tem cronograma definido, mas deve ser resolvida até novembro.

“Eu diria que há duas opções e meia que estamos discutindo. Uma é a SpaceX que é clara. Outra é possivelmente o Japão”, disse o diretor-geral da ESA, Josef Aschbacher, à Reuters. “O Japão está esperando o voo inaugural de seu foguete de próxima geração. Outra opção poderia ser a Índia.”

“A SpaceX, eu diria, é a mais operacional delas e certamente um dos lançamentos de backup que estamos analisando", concluiu Aschbacher.

Até então, a ESA possuía três grandes parceiros comerciais quanto o assunto era lançamentos espaciais. A agência dependia da italiana Vega para lançamentos de pequenas cargas, da russa Soyuz para lançamentos médios, e da francesa Ariane para missões pesadas. No entanto, a indefinição no cronograma do foguete Ariane 6 também o retirou de contenda.

“Este foi um alerta, que temos sido muito dependentes da Rússia. Temos que esperar que os tomadores de decisão percebam tanto quanto eu, que temos que realmente fortalecer nossa capacidade e independência europeias”, afirmou Aschbacher.