Mercado abrirá em 7 h 30 min
  • BOVESPA

    108.402,27
    +1.930,35 (+1,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.354,86
    +631,43 (+1,35%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,57
    -0,19 (-0,21%)
     
  • OURO

    1.801,70
    -3,50 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    23.878,00
    +505,00 (+2,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    557,46
    +14,58 (+2,69%)
     
  • S&P500

    4.140,06
    -5,13 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    32.832,54
    +29,07 (+0,09%)
     
  • FTSE

    7.482,37
    +42,63 (+0,57%)
     
  • HANG SENG

    20.115,42
    +69,65 (+0,35%)
     
  • NIKKEI

    27.990,11
    -259,13 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    13.210,00
    +26,75 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2117
    +0,0023 (+0,04%)
     

Euro tem leve queda ante o dólar pela 1ª vez desde fim de 2002

A cotação do euro ficou brevemente abaixo do dólar na quarta-feira (13), pela primeira vez desde dezembro de 2002, quebrando um limite simbólico, afetado por perspectivas sombrias para a economia europeia em meio a temores de que o fornecimento de gás russo possa ser cortado.

Em um momento de aceleração inflacionária nos Estados Unidos, que abre as portas para uma política monetária contracionista do Federal Reserve (Fed, o Banco Central americano), o euro foi negociado a US$ 0,9998 por volta das 12h45 GMT (9h45 em Brasília). Depois, a moeda única europeia subiu.

Os temores de uma interrupção total das entregas de gás russo para a Europa estão ganhando força. O governo francês chegou a mencionar um "provável" corte no abastecimento no fim de semana.

"Até onde esta queda pode ir? Isso depende, provavelmente, da vontade da Rússia de agravar a guerra econômica contra a Europa", comentou Jane Foley, da firma Rabobank, destacando que "adivinhar" as intenções do presidente russo, Vladimir Putin, não "é fácil".

Diante de um panorama inflacionário na Europa, o Banco Central Europeu (BCE) tem pouca margem, já que uma elevação das taxas pode ameaçar o fraco crescimento da região.

Com uma alta recorde dos preços - a 10%, na Espanha; 5,8%, na França; e 7,6%, na Alemanha -, o euro se desvalorizou 12% desde o início deste ano.

Já o dólar é sustentado por dois fatores: sua condição de "valor-refúgio" em um contexto de desaceleração econômica e os aumentos consecutivos das taxas de juros do Fed.

js/ode/an/mar/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos