Mercado fechado

Euforia com as bolsas dos EUA começa a ficar preocupante

Sarah Ponczek
1 / 2

Euforia com as bolsas dos EUA começa a ficar preocupante

(Bloomberg) -- Os investidores individuais estão correndo de volta para ativos de risco. Os extremamente ricos não querem ficar de fora. O posicionamento em fundos mútuos de referência praticamente nunca expressou tanto otimismo. E isso diante de um salto de 11% do S&P 500 em menos de três meses.

O entusiasmo com as bolsas é música para os ouvidos de corretores e gestores de ações. Mas para quem teme a unanimidade, tamanha empolgação preocupa.

“Os investidores entram na onda, aproveitam a alta e se convencem de que vai continuar assim para sempre”, alerta Aron Pataki, gestor de carteiras da Newton Investment Management, que supervisiona US$ 62 bilhões. “Normalmente há euforia antes dos recuos.”

Não que o entusiasmo não se justifique. O S&P 500 acumula alta de 30% incluindo dividendos este ano.

A sondagem da BofA Global Research junto a gestores de fundos, divulgada em 17 de dezembro, mostra que o otimismo segue firme. As projeções para o crescimento econômico global tiveram o maior acréscimo em registro, enquanto as alocações dos investidores em ações subiram para o maior nível em um ano. Paralelamente, a sondagem concluiu que o posicionamento em instrumentos de altíssima liquidez é o menor em seis anos.

Uma análise da RBC Capital Markets junto a investidores institucionais em dezembro também mostra o otimismo transbordando. A parcela de entrevistados que se declara pessimista no momento caiu para 15%, a menor desde o terceiro trimestre de 2018, quando o S&P 500 iniciou um movimento de queda de 19,8%. Ao mesmo tempo, a turma empolgada se avolumou e a diferença entre otimistas e pessimistas é a maior desde que a RBC começou a coletar os dados.

O posicionamento entre investidores táticos de fundos mútuos está se aproximando de patamares extremos. Jason Goepfert, presidente da Sundial Capital Research, acompanha a família de fundos Rydex e conta que os operadores que usam os produtos “quase nunca foram tão otimistas”. A pontuação de um indicador composto de diferentes posicionamentos em Rydex se encontra entre as 4% mais elevadas do último quarto de século.

Dados da Bloomberg Intelligence mostram entusiasmo crescente também na indústria de fundos negociados em bolsa (ETFs, na sigla em inglês), que movimenta US$ 4 trilhões. Ao longo do ano, a entrada de recursos nos ETFs de renda fixa superou os fluxos para ETFs de renda variável, mas isso mudou. No quarto trimestre, os ETFs de ações atraíram US$ 75 bilhões, mais que o dobro do que entrou em fundos de renda fixa.

O otimismo não chega a ser indefensável. Dados da economia global sugerem que o pior já passou e a força do mercado de trabalho deve sustentar os gastos do consumidor nos EUA. O banco central americano prometeu manter os juros inalterados após três cortes este ano e vem ampliando seu balanço patrimonial toda semana.

--Com a colaboração de Vildana Hajric.

Repórter da matéria original: Sarah Ponczek New York, sponczek2@bloomberg.net

Para entrar em contato com os editores responsáveis: Jeremy Herron, jherron8@bloomberg.net, Chris Nagi, Richard Richtmyer

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

©2019 Bloomberg L.P.