Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,10 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,43 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.167,02
    +380,81 (+0,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,35 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,00 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,30 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,06 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

EUA vive guerra de ofertas enquanto seus jornais caem no abismo

Rob Lever
·2 minuto de leitura
Sede do jornal Chicago Tribune

Enquanto os jornais americanos se afundam em um abismo de dificuldades, começa uma guerra de ofertas incomum por uma das principais redes entre operadores de fundos de investimento, com bilionários que desejam promover um modelo cívico sem fins lucrativos.

A Tribune Publishing, proprietária do Chicago Tribune, do Baltimore Sun e de outros grandes jornais regionais, iria vender a empresa à Alden Global Capital por um valor de 630 milhões de dólares. O fundo de investimentos tem a reputação de reduzir agressivamente a equipe das redações.

O empresário da Maryland, Stewart Bainum, teve outra ideia: inicialmente chegou a um acordo para comprar o Baltimore Sun como parte da transação, mas quando esse plano foi frustrado, fez uma oferta de 650 milhões de dólares por toda rede.

Bainum, presidente da Choice Hotels, comprometeu-se a fornecer 100 milhões de dólares, uma quantia à qual dois outros ricos investidores prometem se juntar. Não está claro, no entanto, se poderá arrecadar o suficiente a tempo para evitar o acordo da Tribune com Alden.

Somaram-se à iniciativa de Bainum o bilionário suíço Hansjoerg Wyss, que declarou ao New York Times que investiria 100 milhões de dólares, e Mason Slaine, acionista minoritário da Tribune e ex-diretor-geral da Thomson Financial.

Slaine declarou ao Wall Street Journal que se comprometeria a ofertar a mesma quantia para adquirir o Orlando Sentinel e o Sun-Sentinel em seu estado da Flórida.

Em meio aos esforços para encontrar compradores para outros jornais da Tribune, surgiu um "misterioso" investidor para o Morning Call que oferece entre 30 milhões e 40 milhões de dólares pelo jornal, segundo o jornal de Allentown, Pensilvânia.

Se Banium tiver sucesso, é provável que venda alguns dos jornais - que incluem o Hartford Courant e o Virginian-Pilot - e que alguns se tornem organizações sem fins lucrativos.

O resultado desta compra poderia ser um ponto de virada para a problemática indústria da mídia impressa, seja para um modelo com apoio cívico para ampliar a cobertura local de notícias, ou para um modelo puramente econômico que poderia levar a maiores cortes nas redações.

O emprego nas redações dos jornais americanos caiu pela metade entre 2008 e 2019, segundo o Pew Research Center, e foram registrados mais cortes durante a pandemia.

Jon Schleuss, presidente da NewsGuild, que representa os jornalistas de vários jornais da Tribune, também está pressionando para obter apoio cívico e compradores locais com a esperança de evitar mais demissões.

Para complicar as coisas, Alden já possui uma participação de 31,6% na Tribune, o que lhe dá influência sobre qualquer transação. Outros 24% são propriedade de Patrick Soon-Shiong, um bilionário da biotecnologia que comprou o Los Angeles Times da Tribune Publishing em 2018.

rl/bgs/mps/rsr/aa/tt