Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.928,71
    -1.051,43 (-1,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

EUA vai anunciar sanções contra Rússia por interferência eleitoral e ataques virtuais

·2 minuto de leitura
O prsidente americano Joe Biden (E) e o presidente russo Vladimir Putin conversaram por telefone esta semana e concordaram em "prosseguir com o diálogo"

O governo dos Estados Unidos anunciará, nesta quinta-feira (15), sanções contra a Rússia em represália por uma suposta interferência eleitoral e por ataques cibernéticos, informa a imprensa americana.

As tensões entre os dois países aumentaram nos últimos meses por uma série de temas, incluindo a recente concentração de tropas da Rússia na fronteira com a Ucrânia.

Diante do cenário, o presidente americano, Joe Biden, propôs na terça-feira ao colega russo, Vladimir Putin, um encontro em um país terceiro. Mas o Kremlin já advertiu que possíveis sanções americanas podem impedir a reunião.

"O que se está discutindo atualmente - prováveis sanções - não vai favorecer de nenhum modo tal reunião", disse o porta-voz da presidência russa, Dmitri Peskov.

"Condenamos qualquer iniciativa de sanções, as consideramos ilegais", completou.

As sanções afetarão mais de 30 entidades russas e devem incluir a expulsão de mais de 10 cidadãos russos dos Estados Unidos, incluindo diplomatas, informou o Wall Street Journal, que ouviu fontes do governo.

Os diplomatas serão objetos de sanções pelas acusações, negadas pela Rússia, de que Moscou ofereceu pagamento a insurgentes no Afeganistão para que matassem militares americanos, segundo o WSJ.

A ordem executiva também ampliará a proibição já em vigor de que os bancos americanos negociem títulos da dívida pública russa.

Washington também pretende acusar formalmente a inteligência russa pelo ataque de hackers à empresa SolarWinds, o que afetou mais de 100 empresas americanas e 18.000 redes de informática do governo e privadas.

A Rússia nega envolvimento com o ataque.

Ao lado do Reino Unido, Austrália, Canadá e União Europeia, o governo dos Estados Unidos também vai determinar sanções contra oito pessoas e entidades pela ocupação da Crimeia, segundo o Wall Street Journal.

As medidas acontecem em um momento difícil para as relações entre Washington e Moscou.

Biden e Putin conversaram por telefone na terça-feira e concordaram em "prosseguir com o diálogo", depois que o presidente americano descreveu no mês passado o presidente russo como um "assassino" que "pagaria um preço" pela interferência nas eleições.

A inteligência americana afirma que Putin e outros altos funcionários "estavam a par e provavelmente dirigiam" uma operação russa para influenciar as eleições de 2020 a favor do republicano Donald Trump.

Mais recentemente, o aumento do número de tropas russas na fronteira com a Ucrânia - onde as forças de Kiev lutam contra os separatistas pró-Rússia desde 2014 - provocou um alerta geral e advertências da Otan.

axn/reb/gma/fp