Mercado fechado

EUA usaram tarifa sobre carros para forçar europeus contra o Irã, diz jornal

Valor

Segundo reportagem do "Washington Post", ameaça foi feita uma semana antes da Alemanha, França e Reino Unido terem acusado o país O governo do presidente dos EUA, Donald Trump, ameaçou impor uma tarifa de 25% sobre os automóveis europeus, se as potências europeias não acusassem formalmente o Irã de romper com o acordo nuclear de 2015, segundo relataram fontes europeias ao jornal "The Washington Post".

A ameaça, diz o jornal, foi feita uma semana antes da Alemanha, França e Reino Unido terem acusado o Irã e acionado o mecanismo de disputa, que abre o caminho para retomada das sanções internacionais contra a República Islâmica. As três potências europeias fizeram o anúncio na terça-feira.

A estratégia do governo Trump de usar tarifas comerciais para coagir as potências europeias a adotarem uma política externa de seu interesse chocou as autoridades alemãs, francesas e britânicas, segundo o jornal americano. Uma das fontes comparou a política americana de "extorsão".

Segundo o "Washington Post", autoridades das três potências europeias disseram que já planejavam acionar o mecanismo de disputa e que a ameaça de Trump quase levou a uma mudança de rumo. Alemanha, Reino Unido e França temiam ser vistas como "marionetes" de Washington caso a notícia da ameaça vazasse para a imprensa.

Presidente do Irã, Hassan Rouhani, diz que passos dados para reduzir os compromissos do acordo nuclear são reversíveis

Iranian Presidency Office via AP

Nesta quarta-feira, o presidente do Irã, Hassan Rouhani, disse que a Europa deveria retomar o pleno cumprimento do acordo nuclear de 2015 e rejeitou a ideia do primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, de mudar o plano para um "acordo Trump".

"A Europa deve escolher o caminho certo e voltar ao acordo nuclear", disse Rouhani em um comunicado transmitido ao vivo pela TV estatal iraniana. "O senhor Johnson... Eu não sei o que ele está pensando quando diz que, em vez do acordo nuclear, nós deveríamos implementar um plano de Trump. Além de violar contratos internacionais, o que mais Trump fez?"

Em uma reunião de gabinete, Rouhani disse que os passos dados por Teerã até agora para reduzir seu compromisso com o acordo são todos reversíveis. Tais medidas foram tomadas em resposta aos EUA, que abandonaram o acordo nuclear e voltaram a impor sanções ao Irã.