Mercado fechará em 2 h 41 min
  • BOVESPA

    109.138,81
    +1.759,89 (+1,64%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.604,78
    +337,58 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,14
    +2,08 (+4,83%)
     
  • OURO

    1.803,10
    -34,70 (-1,89%)
     
  • BTC-USD

    19.342,57
    +890,61 (+4,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    383,14
    +13,39 (+3,62%)
     
  • S&P500

    3.623,25
    +45,66 (+1,28%)
     
  • DOW JONES

    29.967,19
    +375,92 (+1,27%)
     
  • FTSE

    6.417,15
    +83,31 (+1,32%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    11.998,75
    +93,50 (+0,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4041
    -0,0362 (-0,56%)
     

EUA tem recorde de 80.000 novos casos de covid-19 em 24 horas

·2 minuto de leitura
Bandeiras brancas homenageiam as vítimas da covid-19 nos EUA, 23 de outubro de 2020 em Washington
Bandeiras brancas homenageiam as vítimas da covid-19 nos EUA, 23 de outubro de 2020 em Washington

Os Estados Unidos bateram seu recorde de novas infecções por covid-19 em 24 horas nesta sexta-feira (23), com quase 80.000 positivos, de acordo com dados continuamente atualizados pela Universidade Johns Hopkins.

Entre as 20h30 de quinta-feira e o mesmo horário nesta sexta, foram registradas 79.963 novas infecções, elevando o número total de infectados para quase 8,5 milhões em todo o país desde o início da pandemia.

Os Estados Unidos já haviam atingido a barreira dos 80 mil positivos diários durante o mês de julho, principalmente devido às novas infecções em estados do sul como Texas e Flórida, onde, na época, o vírus estava fora de controle.

Os piores surtos estão agora nas regiões Norte e Centro-Oeste, com 35 dos 50 estados americanos apresentando aumento no número de casos.

O número de mortes em 24 horas permanece estável no geral desde o início do outono, com registro de entre 700 e 800 óbitos por dia. Mais de 223.000 pessoas morreram de covid-19 no país desde o início da pandemia.

Em valores absolutos, os Estados Unidos são o país mais afetado no mundo pelo coronavírus, mas não em valores relativos.

Medidas como o uso de máscaras, que se generalizadas poderiam evitar mais 130 mil mortes até o final de fevereiro, segundo estudo divulgado nesta sexta-feira,  tornaram-se tema de disputa política em um país em plena campanha para as eleições presidenciais de 3 de novembro.

O presidente Donald Trump, amplamente criticado por sua gestão da crise sanitária e que insiste em minimizar a periculosidade do vírus, prometeu a chegada iminente de uma vacina, que afirma será gratuita.

O candidato democrata à Casa Branca, Joe Biden, também prometeu na sexta-feira que a vacina será "gratuita para todos" caso vencer as eleições.

leo/sdu/rs/yow/am