Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.941,68
    +51,80 (+0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.463,55
    +320,55 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    115,07
    +0,98 (+0,86%)
     
  • OURO

    1.857,30
    +3,40 (+0,18%)
     
  • BTC-USD

    28.917,58
    +321,17 (+1,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    625,79
    -3,71 (-0,59%)
     
  • S&P500

    4.158,24
    +100,40 (+2,47%)
     
  • DOW JONES

    33.212,96
    +575,77 (+1,76%)
     
  • FTSE

    7.585,46
    +20,54 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    20.697,36
    +581,16 (+2,89%)
     
  • NIKKEI

    26.781,68
    +176,84 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    12.717,50
    +438,25 (+3,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0751
    -0,0429 (-0,84%)
     

EUA têm criação sólida de empregos em abril; taxa de desemprego permanece em 3,6%

Anúncio de contratação do Serviço Postal dos EUA em Boston

Por Lucia Mutikani

WASHINGTON (Reuters) - Os Estados Unidos criaram mais vagas de trabalho do que o esperado em abril, destacando os fortes fundamentos da economia apesar da contração do Produto Interno Bruto no primeiro trimestre.

O Departamento do Trabalho informou nesta sexta-feira que foram criados 428 mil postos de trabalho fora do setor agrícola em abril. Os dados de março foram revisados para mostrar abertura de 428 mil vagas, em vez das 431 mil informadas antes.

Economistas consultados pela Reuters previam abertura de 391 mil vagas. As estimativas variaram de 188.000 a 517.000 postos de trabalho. A taxa de desemprego permaneceu em 3,6%.

"É ambíguo se ganhos maiores de emprego seriam motivo de preocupação para o Federal Reserve ou fonte de alívio", disse Lou Crandall, economista-chefe do Wrightson ICAP.

"Um crescimento mais forte que reflete a vontade das pessoas de voltarem à força de trabalho tenderia a afetar os custos trabalhistas, enquanto um crescimento induzido por ofertas de salários maiores por empregadores diante da escassez de mão de obra teria o efeito oposto."

O Federal Reserve está tentando apertar a política monetária para reduzir a inflação sem levar a economia a uma recessão.

Na quarta-feira, o banco central norte-americano aumentou a taxa de juros em 0,5 ponto percentual, o maior aumento em 22 anos, e disse que começará a reduzir sua carteira de títulos no próximo mês. O Fed começou a aumentar os juros em março.

Os ganhos de emprego do mês passado destacaram os fortes fundamentos da economia apesar da contração da atividade no primeiro trimestre, sob o peso de um déficit comercial recorde.

Havia um recorde de 11,5 milhões de postos de trabalho abertos no último dia de março.

A renda média por hora aumentou 0,3% depois de alta de 0,5% em março. Isso reduziu o aumento anual dos salários para uma taxa ainda robusta de 5,5%, de 5,6% em março.

Embora Powell tenha afirmado na quarta-feira que uma alta de 0,75 ponto percentual não esteja na mesa, alguns economistas acreditam que o Fed pode elevar os juros acima da taxa neutra, estimada entre 2% e 3%.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos